Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Clarissa Oliveira Notas sobre política e economia. Análises, vídeos e informações exclusivas de bastidores

Datafolha é azeda para Bolsonaro, mas ameniza temor de estrago maior

Mesmo com noticiário amplamente negativo para o governo, levantamento mostrou estabilidade na corrida presidencial

Por Clarissa Oliveira Atualizado em 25 jun 2022, 03h54 - Publicado em 23 jun 2022, 18h23

Os números da pesquisa Datafolha divulgada nesta quinta-feira estão longe de trazer boas notícias para o presidente Jair Bolsonaro. O levantamento confirma uma vantagem ampla do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e deixa aberta a possibilidade de vitória do petista ainda no primeiro turno. Mas, considerando o contexto em que o instituto foi a campo, os números aliviam o temor de um estrago maior na campanha do presidente.

As entrevistas foram feitas num período para lá de delicado para o Planalto. Ainda se fala sobre as mortes de Bruno Pereira e Dom Phillips na Amazônia, houve um novo aumento do preço dos combustíveis e o ex-ministro da Educação Milton Ribeiro foi parar na cadeia. Ainda assim, o cenário traçado pela pesquisa é de estabilidade. Numericamente, a distância entre Lula e o presidente até diminuiu: dois pontos, dentro da margem de erro.

Na nova pesquisa, Lula tem 19 pontos de frente sobre o presidente. O petista aparece com 47% das intenções de voto, contra 28% de Bolsonaro. Na pesquisa anterior, a diferença entre os dois era de 21 pontos, já que o petista tinha 48% e o presidente contava 27%.

De qualquer forma, é um cenário muito diferente do que imaginavam lá atrás os aliados mais próximos do presidente, que falavam numa retomada consistente que levaria Bolsonaro a ganhar de Lula no primeiro turno. Mesmo que o quadro seja de estabilidade, o governo dá sinais do tamanho da preocupação.

O Planalto voltou a falar, por exemplo, em aumentar o Auxílio Brasil para R$ 600. É preciso uma boa dose de malabarismo para fechar essa conta. Afinal, o mesmo Paulo Guedes que agora coloca sua equipe para fazer contas para ampliar o benefício dizia lá atrás que era impossível chegar ao valor do Auxílio Emergencial concedido durante a pandemia.

A proposta vem acompanhada de um possível abandono de outra promessa feita há pouco tempo pelo governo: conceder uma compensação aos estados que aceitassem zerar a alíquota de ICMS sobre os combustíveis até o fim do ano. Sim, o cobertor é curto. Mas, seja qual for a estratégia vencedora, nada parece ser pensado para o longo prazo.

+Leia também: As novas perguntas do Datafolha que vão irritar Bolsonaro

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)