Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Operação contra milicianos prende 10 em Duque de Caxias

Segundo o governo, grupo é conhecido pelo envolvimento em homicídios, extorsão, tráfico de armas e roubos a residências. Na primeira tentativa de combater esses milicianos, os criminosos mataram todas as testemunhas de acusação

A polícia realiza uma operação na manhã desta quinta-feira para combater uma das milícias mais perigosas do Rio de Janeiro. A Delegacia de Repressão às Ações Criminosas Organizadas e Inquéritos Especiais (Draco-IE) cumpre 23 mandados de prisão preventiva na cidade de Duque de Caxias, na Baixada Fluminense. Na ação, chamada Capa Preta II, foram presas dez pessoas envolvidas com a milícia, inclusive o ex-vereador Jonas Gonçalves da Silva, o “Jonas é Nós”. Do total de mandados,doze são contra policiais militares ou ex-policiais e dois contra fuzileiros navais da Marinha do Brasil.

Segundo a Secretaria de Segurança Pública do Rio, a atuação dessa milícia começou em 2007 e é conhecida pelos homicídios cometidos e pela prática de tortura, ameaça, agiotagem, imposição da compra de cestas básicas por valores abusivos, tráfico de armas, roubo a residências e extorsão. O nome Capa Preta II é uma referência à Operação Capa Preta, de 2010. Naquele ano, todas as testemunhas de acusação contra a milícia foram mortas, reforçando os métodos cruéis usados pelo grupo paramilitar.

Participam da ação o Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) e Coordenadoria de Segurança e Inteligência (CSI), do Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro, a coordenadoria de inteligência e a corregedoria da Polícia Militar e o setor de inteligência da secretaria Estadual de Segurança Pública. Os mandados foram expedidos pela 2ª Vara Criminal da Comarca de Duque de Caxias por formação de quadrilha armada para prática de crime hediondo.

Os presos até o momento são: Fábio Delfino de Oliveira, Eder Fabio Gonçalves da Silva, conhecido como “Fábio É Nós”, Samuel Felipe Dantas de Farias, Jonas Gonçalves da Silva, Fábio Grama Miranda, Jorge Luiz Moreira de Souza, José Gomes da Rocha Neto, conhecido como Kiko, Wander Lucio Pereira Gomes, Roberto Wagner Lima de Castro, conhecido como Betão, e Lucio Rocha Loyola.

LEIA TAMBÉM:

No Rio, milícia dá as cartas em uma região com 26 favelas

“A milícia quer dinheiro. E droga dá dinheiro”