Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Mesa Diretora da Câmara acumula encrencas na Justiça

Segundo levantamento da ONG Transparência Brasil, mesa tem oito de seus onze membros citados na Justiça ou Tribunais de Contas; quatro foram condenados, incluindo o novo presidente, o peemedebista Eduardo Cunha

Oito dos onze membros da nova Mesa Diretora da Câmara dos Deputados acumulam processos ou condenações na Justiça e Tribunais de Contas, segundo pesquisa inédita da ONG Transparência Brasil. A proporção (73%) é superior à média da Casa (57%) e também à do colegiado eleito em 2013 (45%), de acordo com monitoramento do projeto Excelências, que a Transparência Brasil relançou em 2013, com apoio de VEJA. Dos oito parlamentares, quatro sofreram condenações, entre eles o novo presidente da Casa, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que no domingo impôs ao Planalto uma humilhante derrota na disputa para suceder a Henrique Eduardo Alves, também do PMDB – e também citado na Justiça, em ação civil por improbidade administrativa.

Leia também:

Câmara elege Eduardo Cunha para desespero do Planalto

Cunha foi multado em 2012 pelo Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro (TRE-RJ) em processo por compra de votos e conduta vedada a agentes públicos na campanha de 2006, juntamente com o deputado estadual Domingos Brazão (PMDB-RJ). Segundo a acusação, Brazão ofereceu benefícios de um programa social em troca de apoio e autorização para fixar cartazes seus e de Cunha. Embora a legislação preveja cassação para casos de compra de voto, os réus foram punidos apenas com multas, porque a sentença saiu após o fim de seus mandatos. Sua defesa recorreu da condenação ao Tribunal Superior Eleitoral.

Abaixo de Cunha, o primeiro vice-presidente da Câmara, Waldir Maranhão (PP-MA), teve as contas de sua campanha de 2010 rejeitadas pelo Tribunal Regional Eleitoral do Maranhão; é alvo de uma representação do Ministério Público Eleitoral por captação ilícita de recursos; responde no STF a dois inquéritos no âmbito da Operação Miqueias, da PF, que apura lavagem de dinheiro; e de quebra seu nome apareceu nas investigações da Lava Jato, em troca de e-mail com o doleiro Alberto Youssef.

A primeira vice-presidência é a cadeira que na última eleição o PT assegurou a seu então homem forte na Câmara, André Vargas (PR), mais tarde rifado pelo partido e finalmente cassado, na esteira da revelação de seus laços com Youssef. Na mesa atual, o PT não tem representante nenhum: na tentativa de conquistar a presidência da Casa com Arlindo Chinaglia (SP), a sigla cedeu as cadeiras a que o bloco de apoio ao petista tinha direito, a começar pela segunda vice-presidência, que ficou com Fernando Giacobo (PR-PR) – mais um citado na Justiça, em inquérito no STF que apura crimes contra a ordem tributária.

Secretarias – O primeiro secretário da nova Mesa, Beto Mansur (PRB-SP), é o mais enrolado: coleciona três condenações, é réu em duas ações no STF e alvo de mais três inquéritos. Entre as acusações, exploração de trabalho escravo e improbidade administrativa. Mansur também teve reprovadas as contas de sua campanha de 2010 e de sua gestão na prefeitura de Santos. Chegou a ter a candidatura barrada em 2010 em razão da Lei da Ficha Limpa, mas conseguiu reverter a decisão.

O segundo secretário, Felipe Bornier (PSD-RJ), é investigado por uso indevido dos meios de comunicação na eleição de 2014, em processo no TRE-RJ – dois jornais são suspeitos de promover ilicitamente Bornier e quatro candidatos a deputado estadual do PT, PTC e SD. Alex Canziani (PTB-PR), o quarto secretário da Mesa, responde no Paraná a ação civil de improbidade administrativa que apura fraudes contra a Companhia de Urbanização de Londrina.

Mara Gabrilli (PSDB-SP), que ocupa a terceira secretaria, é a única dos sete titulares sem ocorrências na Justiça. Como ela, dois suplentes também não são citados: Luiz Henrique Mandetta (DEM-MS) e Ricardo Izar (PSD-SP). Os outros dois suplentes são Gilberto Nascimento (PSC-SP), alvo de ação civil de improbidade administrativa ligada ao escândalo dos sanguessugas, e Luiza Erundina (PSB-SP), condenada a pagar cerca de 350.000 reais por financiar com recursos públicos um comunicado sobre uma greve em 1989.