Clique e assine a partir de 8,90/mês
Mundialista Por Vilma Gryzinski Se está no mapa, é interessante. Notícias comentadas sobre países, povos e personagens que interessam a participantes curiosos da comunidade global. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Trump vai para um debate eleitoral com escândalo nas costas

Dessa vez, é sobre seu imposto de renda, revelado em detalhes nada palatáveis pelo 'New York Times', numa repetição do que aconteceu em 2016

Por Vilma Gryzinski - Atualizado em 29 set 2020, 17h28 - Publicado em 28 set 2020, 08h07

No último debate da campanha de 2016, Hillary Clinton “deu uma aula magna de como desviar e contra-atacar” (BBC), Donald Trump “se fez de palhaço” (Guardian) e “saiu com sua campanha demolida” (Vox).

Sem contar que estava massacrado pelo escândalo do tape onde comentava que, por ser famoso, podia fazer qualquer coisa com as mulheres, inclusive “agarrá-las” pelos genitais – o termo era bem menos publicável.

O resultado todo mundo sabe qual foi.

As semelhanças são impressionantes com o debate de amanhã, o primeiro, entre Trump e Joe Biden.

Como Hillary, Biden está tão à frente das pesquisas que muitos democratas já estão preparando a festa da vitória – e a lista de cargos a serem distribuídos.

O escândalo do momento também é bombástico. Embora menos constrangedor por não envolver palavrões, evoca a odiosa figura do ricão que não paga imposto de renda e sustenta uma vida de nababo, enquanto o povaréu tem que levar a mordida anual.

As declarações de rendimentos como pessoa jurídica, não física, foram obtidas pelo New York Times e resumidas assim: Trump pagou 750 dólares de imposto no ano em que foi eleito presidente e a mesma quantia em seu primeiro ano na Casa Branca.

Nos dez anos anteriores, não pagou nada, tendo obtido devoluções de espantosos 72,9 milhões de dólares por perdas declaradas.

As devoluções, se preencherem todos os requisitos,  são legítimas, obviamente – Trump só pode ter as maiores feras do ramo a seu serviço.

A Receita Federal contesta o valor e é esse litígio, entre outros fatos, que Trump tanto lutou para manter em sigilo.

Sem contar as táticas manjadas de comprar propriedades com o objetivo explícito de perder dinheiro, no caso dele, os clubes de golfe.

Além de debitar despesas aparentemente pessoais – avião particular,  cabeleireiro, maquiador – na pessoa jurídica. 

Se todos os milionários brasileiros fossem escrutinados pelos mesmo motivo, quem sobraria?

Continua após a publicidade

Trump pode argumentar, com razão, que vivia de sua imagem, principalmente do programa de televisão que no Brasil ganhou a tradução de O Aprendiz.

“Alguns questionarão a publicação dos informes pessoais de renda do presidente”, escreveu o diretor de redação do Times, Dean Baquet, sabendo muito bem que o furo do jornal está sendo comemorado com champanhe pela oposição democrata.

ASSINE VEJA

A ameaça das redes sociais Em VEJA desta semana: os riscos dos gigantes de tecnologia para a saúde mental e a democracia. E mais: Michelle Bolsonaro vai ao ataque
Clique e Assine

Principalmente por acontecer na véspera do debate com Joe Biden, com toda expectativa gerada de que o candidato possa escorregar em algum de seus “brancos” de memória ou frases sem sentido.

Como Trump é Trump, tuitou que gostaria que o adversário fosse submetido a um exame para detectar possíveis substâncias estranhas no organismo. “Naturalmente, eu também farei um”.

A ideia de fazer um doping no debate presidencial é uma das maiores doidices de Trump – e não faltam concorrentes nessa área.

Mas tem lógica: se Biden se sair bem, ou não tropeçar catastroficamente, Trump já sabe que a grande imprensa o dará por vencedor.

“O vice-presidente Biden pretende responder as perguntas com palavras. Se o presidente acha que seu melhor argumento é feito com urina, que o faça”, espetou uma representante da campanha democrata.

A revelação das manobras fiscais de Trump naturalmente vai ocupar todos os espaços, depois de dois dias em que ele pareceu tão presidencial quanto possível ao confirmar a indicação de Amy Coney Barrett para a Suprema Corte.

Ficou um pouco mais difícil pintar a juíza e professora de direito de jeito simples, mãe de sete filhos, com sotaque interiorano e bijuterias singelamente descombinadas, como uma bruxa malvada que vai acorrentar as mulheres e obrigá-las a cobrir os cabelos e usar longas túnicas vermelhas como no livro e série The Handmaid. 

Erroneamente, a inspiração do livro de Margaret Atwood foi atribuída ao grupo de renovação carismática Povo do Louvor frequentado por Barrett.

O processo de confirmação da juíza vai criar um clima pré-eleitoral mais incendiário ainda.

Na posição de desfavorecido,  com todo o establishment unido contra ele mais fervorosamente ainda do que em  2016, Trump vai brigar como nunca.

Vencerá como sempre ou, dessa vez, não aguentará?

VEJA RECOMENDA | Conheça a lista dos livros mais vendidos da revista e nossas indicações especiais para você.

Continua após a publicidade
Publicidade