Blogs e Colunistas

25/10/2014

às 14:41 \ Democracia

Missão cumprida: agora é com vocês!

Carlos leitores,

Nunca trabalhei tanto em minha vida. Nem quando era analista de empresas em uma gestora de recursos, época em que chegava a ficar 12 horas ininterruptas no escritório. Lá, era movido pelo desejo de enriquecer. O que considero louvável, ao contrário dos hipócritas de esquerda, que condenam a ganância alheia enquanto só pensam em encher os próprios bolsos.

O que condeno é a ambição desmedida, como a de alguns banqueiros de investimento, conhecidos por estarem dispostos a vender a própria mãe para ficarem ainda mais ricos. Um desses, já bilionário, doou milhões para a campanha… de Dilma. Mas quem quer ganhar dinheiro com ética merece aplausos: são esses que produzem riqueza e empregos para o país.

Dito isso, reconheço que minha motivação agora foi maior e mais nobre. Trabalhei sem parar por algo em que acredito. Alguns me acusam de ser parcial, como se os jornalistas da imprensa fossem imparciais. Os mais “neutros” sempre têm lado, e invariavelmente é o errado, do governo. Apenas simulam isenção. Não sou jornalista, e sim economista, com um blog de opinião. E tenho partido! Não político, pois não sou filiado a nenhum. E sim o partido da verdade, da democracia, da liberdade.

Foi com base nisso, nesses valores e princípios, que trabalhei dia e noite para ajudar a tirar o PT do poder, a derrotar Dilma. O Brasil não merece mais quatro anos disso que está aí, dessa roubalheira toda, dessas mentiras, baixarias, dessa incompetência, dessa péssima gestão econômica, desse aparelhamento da máquina estatal, desse autoritarismo.

Movido apenas pela paixão pela liberdade e por sentimento patriótico – pois sempre seremos apátridas morando em outro país – fiz o melhor que pude, que estava ao meu alcance. Posso ter me excedido no tom alguns vezes, e peço desculpas por isso. Não é fácil aturar o que faz o lado de lá, pois não estamos lidando com gente que respeite o debate civilizado, a troca de ideias com foco nos argumentos, a própria democracia. Não tenho sangue de barata, e a própria Veja já me chamou de “trovão da razão” por isso.

Mas creio que o resultado foi positivo. Quem diz isso, na verdade, são vocês. Muitos chegaram ao blog recentemente, e a quantidade de visitas aumentou muito, comprovando isso. Até agora, foram 4 milhões de visualizações de página só em outubro, e o mês nem acabou ainda. É uma marca impressionante. Estamos numa média agora, nas vésperas da eleição, de quase 300 mil visitas diárias. Fiz minha parte. Durmo com a consciência tranquila. Missão cumprida.

Agora é com vocês! Que cada um convença algum indeciso ainda, tente mostrar o que está em jogo, que é a nossa própria democracia em perigo. Que “arrastem” aqueles que pretendem se abster nesse momento crucial de nossa história, para votarem, para contribuírem com um país melhor e mais livre. Não é hora de recuar. Não é hora de se acovardar, ou de mostrar indiferença. Vamos juntos para a vitória do Brasil contra o PT e tudo que ele representa de podre!

Rodrigo Constantino

25/10/2014

às 13:57 \ Democracia, Economia

Kátia Abreu quer levar métodos da iniciativa privada para governo, mas vota em Dilma? Oi?

Kátia Abreu com Dilma, aquela que representa o oposto de tudo o que a senadora defende

Mais uma boa coluna da senadora Kátia Abreu na Folha hoje. Devo parabenizar seu ghost writer, algum liberal qualquer que não abandonou seus princípios ainda? Digo isso pois custo a crer que quem escreveu essas linhas foi a mesma pessoa que pediu votos para Dilma.

No texto, Kátia Abreu senta o pau na gestão pública, citando o caso específico de Tocantins, por onde foi eleita. Está fazendo política, claro. Mas esse não é meu ponto. O fato é que ela recomenda, como solução para os problemas da gestão pública, que os políticos deixem os métodos da iniciativa privada chegarem até o setor público.

Ela pretende reduzir o abismo existente entre ambos hoje, aproximar as administrações, o máximo possível, já que no setor privado encontramos um comando mais eficaz, moderno. Kátia Abreu quer transportar tais avanços identificados com a iniciativa privada para os governos. Somente assim conseguiremos melhorar os serviços públicos prestados à população.

Meta louvável. Vale notar que o abismo pode ser reduzido, sem dúvida, mas nunca superado totalmente, pois o mecanismo de incentivos é diferente, e inadequado no setor público. Falta o “olho do dono”, que é quem engorda o boi, como a senadora do agronegócio bem sabe. Falta esse escrutínio de quem coloca a própria poupança na reta. Falta a liberdade de punir os mais incompetentes e premiar os mais eficientes.

Aécio Neves, responsável pelo mais elogiado choque de gestão em governos de estados brasileiros

Mesmo assim, dá para aplicar um bom “choque de gestão”, para levar mais meritocracia para o setor público, para cobrar metas de forma mais objetiva, para blindar áreas fundamentais da politicagem. Como sabemos que é possível fazer isso? Porque Aécio Neves fez em Minas Gerais, com bons resultados. Foi o primeiro governador a ser identificado por esse esforço. E foi reconhecido até mesmo pelos petistas, inclusive a presidente Dilma.

Só que ela não fez nada parecido em sua gestão no governo federal. Ao contrário: tivemos um choque de ingestão, um aumento de politicagem absurdo, um aparelhamento da máquina estatal por pelegos, uma politização das estatais e agências reguladoras, de institutos e fundos de pensão, de tudo!

Portanto, gostaria de compreender qual o sentido de Kátia Abreu louvar – corretamente – um choque de gestão do tipo que Aécio fez em Minas, para logo depois pedir voto para Dilma, que representa o oposto disso tudo?

Rodrigo Constantino

25/10/2014

às 13:05 \ Corrupção, Democracia

Os ignorantes do bem e um sistema de corrupção

Dirceu, hoje presidiário, com Dilma, que se nega a criticá-lo.

Sensacional a coluna de hoje do jornalista Guilherme Fiuza. Uma ducha de água fria, fria não, congelada na cabeça de nossos “progressistas”, especialmente os cariocas, que adoram votar na esquerda com viés romântico, i.e. votar mal.

O que Fiuza prova é que o velho discurso de esquerda do bem contra direita do mal não cola mais. É absurdo achar que o voto em Dilma representa qualquer coisa parecida com um voto de “protesto ao sistema”, de “grito contra as elites”.

Dilma e o PT representam justamente o pior lado das elites, o lado reacionário, corrupto, fisiológico. O eleitor achou que vivia numa canção de Chico Buarque, e acabou quase na Venezuela. É preciso acordar enquanto há tempo. Diz o autor:

Os progressistas com alma de oposição têm todo o direito de votar em Dilma. Só não fica bem fingirem que estão votando contra as elites reacionárias e autoritárias, sentindo-se humanos e sensíveis. O que há de mais reacionário, autoritário, insensível e desumano no país hoje é o assalto ao Estado brasileiro. Não só o do mensalão, mas o da fraude que o governo Dilma instituiu na contabilidade pública: maquiagem dos balanços para esconder déficits e gastar mais — com uma máquina sem precedentes que acomoda os companheiros e simpatizantes.

Quem são hoje, 25 de outubro de 2014, as elites que se organizam para sugar o que é do povo? Não, meu caro progressista do bem, não dá mais para você olhar no espelho e dizer que é a “direita conservadora” — ou qualquer desses apelidos feios para quem não usa a estrelinha vermelha. A elite egoísta e predadora hoje é essa que você ajudou a vitaminar, achando que estava votando num livro de García-Marquez, numa canção de Chico Buarque ou num poema de Neruda. Traficaram o seu romantismo, caro eleitor de esquerda, e o transformaram na maior indústria parasitária que este país já viu.

O doleiro acaba de revelar que Dilma e Lula sabiam do esquema de saque à Petrobras. O que você fará diante disso, caro progressista do bem? Colocará para tocar um disco de Mercedes Sosa? Ou fechará os olhos e ficará repetindo para si mesmo que casos de corrupção existem em todos os governos? Não, meu caro, a nova elite vermelha não protagonizou casos de corrupção. Ela criou, sob a propaganda da bondade, um sistema de corrupção.

Essa é a expressão-chave aqui: um sistema de corrupção. O que o PT fez nesses últimos 12 anos não foi “apenas” roubar, como “todos os outros”. Quem repete isso tenta se convencer de uma mentira para evitar a dor da dissonância cognitiva. Ouviu por tempo demais que esquerda é sinônimo do “bem”, e como o PT está mais à esquerda…

Mas não! O que o PT fez não é nada parecido com qualquer outro caso anterior. O partido criou, como diz Fiuza, um completo sistema de desvio de recursos públicos para seus cofres particulares. Montou um gigantesco aparato para sugar cada centavo de nosso dinheiro, pago com nosso suor nos impostos. E ainda defende seus arquitetos do crime!

Portanto, não caia nessa de “esquerda x direita”, pois não é nada disso que está em jogo nessa eleição. Seu voto amanhã será para dar aval a um sistema mafioso instalado dentro do Planalto, ou para demandar mudanças, punir os corruptos e preservar a democracia. Como conclui Fiuza, “Exija respeito pela sua escolha na urna. Mas procure um jeito honesto de se orgulhar dela”.

Rodrigo Constantino

25/10/2014

às 12:05 \ Comunismo, Democracia, Fascismo

Ex-ministro de Lula elogia ato de vandalismo contra Veja

É um espanto! A que ponto chegamos? Gente que chegou ao ministério, cargo dos mais altos na política nacional, aplaudindo atos de vandalismo contra a imprensa livre? Acham que já estamos na Venezuela? Foi exatamente o que deu a entender Orlando Silva, ex-ministro dos Esportes do governo Lula, e que caiu por escândalos de corrupção e uso irregular dos cartões corporativos. Vejam o que ele escreveu em seu Twitter:

Orlando Silva

Denunciar? É disso que o ex-ministro chama pichação e vandalismo? De denúncia? Devo presumir que o socialista defenderia os camisas-negras de Mussolini também, que “denunciavam” aqueles que ousavam discordar de seu “maravilhoso” projeto de poder?

Entendo o ódio que Orlando Silva tem da liberdade jornalística. A imprensa foi quem divulgou que o ministro efetuou alguns pagamentos em restaurantes em dias que, segundo a agenda divulgada pelo ministério na internet, não haveria compromissos oficiais. Essa mania de cobrar transparência no trato com a coisa pública é insuportável para alguns mesmo.

O que esperar de alguém que ainda defende abertamente o comunismo em pleno século 21, ideologia assassina responsável pela morte de cem milhões de inocentes? Países do Leste Europeu, que foram vítimas dessa utopia maldita, baniram partidos comunistas e proibiram a foice e o martelo como símbolo, pelo mesmo motivo que a suástica nazista é vetada: jogam contra a democracia.

Agora fica mais claro ainda essa postura antidemocrática. Um ex-ministro de Lula elogiando vândalos que não respeitam as leis e a liberdade de expressão. E Orlando Silva, claro, pede voto para Dilma. Vote nela, e leve junto comunistas que aplaudem atos fascistas…

Rodrigo Constantino

25/10/2014

às 11:36 \ Comunismo, Democracia, História, Socialismo

Quem conhece o passado de Dilma não fica surpreso com seu presente

Alguns eleitores mais desatentos podem ter se assustado com o tom raivoso e autoritário da presidente Dilma em seu último programa de campanha na televisão ontem. Uma “indignação” simulada que voltou todas as suas baterias contra o mensageiro da notícia ruim – a Veja – em vez de rebater o conteúdo em si trazido pela revista, mas dito pelo doleiro do próprio PT.

Além disso, o PT fez de tudo para calar a Veja, para tirar de circulação a revista. Há relatos de várias pessoas que viram petistas comprando nas bancas todos os exemplares disponíveis, em alguns casos usando até carro da prefeitura. Houve, ainda, um grupo de marginais fascistas do União da Juventude Socialista, ligada ao PCdoB, que é ligado ao PT, que tentou intimidar a imprensa depredando a entrada do prédio da editora Abril.

Por fim, o TSE deu parecer contrário à Veja, decidindo que ela não pode fazer propaganda da capa desta edição. Em sua decisão, o ministro Admar Gonzaga, relator do processo, afirmou que há elementos para acatar o pedido liminar, suspendendo, até o julgamento do mérito, qualquer publicidade da editora sobre o assunto. Gonzaga foi um dos advogados da campanha de Dilma em 2010.

Mas só fica surpreso com tanto autoritarismo por parte da presidente quem não conhece seu passado direito, quem acreditou na mentira inventada e repetida mil vezes, de que ela combatia a ditadura e lutava pela democracia. Nada mais falso! Dilma nunca demonstrou apreço pela democracia e a liberdade. Ela sonhava é com o comunismo. E desafio os petistas a mostrar um só experimento comunista ou socialista que preservou a democracia!

Gravei um vídeo quando a revista Época trouxe, um tempo atrás, o passado de Dilma em sua reportagem de capa.  Vejam:

Conhecendo de onde cada um veio fica mais fácil compreender porque defendem certas coisas. Pessoas podem mudar, claro. Mas eis o ponto-chave aqui: Dilma jamais se arrependeu deste passado. Nunca fez um mea culpa de que lutava por algo equivocado, como tantos socialistas daquela época fizeram. Um deles, Eduardo Jorge, recentemente reconheceu que aquela turma desejava uma ditadura:

Pois é: sinceridade, algo que falta a Dilma. Fernando Gabeira, Arnaldo Jabor, Ferreira Gullar e tantos outros já admitiram que aquela luta não era pela democracia coisa alguma. Dilma nunca admitiu isso. Sabem o motivo? Ela continua acreditando naqueles ideais, e não evoluiu a ponto de rejeitar os métodos autoritários pregados no passado.

Eduardo Jorge, do PV, apóia Aécio Neves. Quem evoluiu entende que a democracia vale muito, e a liberdade de imprensa é um pilar fundamental de todo regime democrático.

Rodrigo Constantino

Deixar de comprar voluntariamente os livros do Chico Buarque não pode, mas depredar a Abril pode?

Todos estão cansados de conhecer o duplo padrão moral dos canalhas. Uma ala da esquerda passa mais longe de qualquer decência do que Plutão da Terra. Adota constantemente o velho “um peso, duas medidas”. Sua indignação é sempre seletiva.

Quando propus aqui um boicote aos artistas engajados que fazem campanha para o PT, ou seja, que os próprios consumidores burgueses da elite ridicularizados por essa gente simplesmente parem de dar seu dinheiro para aqueles que os odeiam, houve uma reação histérica do lado de lá.

Eu não era “democrático”, não “respeitava opiniões diferentes”, e por aí vai. Tudo balela, como mostrei aqui. O boicote é um instrumento legítimo de mercado, uma arma que o consumidor usa para expressar sua indignação com alguma coisa que rejeita do ofertante.

A esquerda é a primeira a pedir boicote a Israel ou aos Estados Unidos, com a diferença de que seus motivos costumam ser ridículos (preferem defender a escória humana contra quem esses países democráticos lutam) e seu boicote, hipócrita (eles não conseguem ficar sem os produtos desses países, ao contrário da gente com os livros ou discos de Chico Buarque).

Pois bem: então não posso fazer campanha para que as vítimas do PT – e não é uma simples questão de “opinião diferente”, pois o PT é uma máfia criminosa e autoritária – deixem de enriquecer aqueles que querem destruir esse país, transformá-lo numa Venezuela, mas a esquerda radical e raivosa pode… depredar a entrada do prédio da Abril, editora de Veja?

Entrada do prédio da Abril. Fonte: Folha

É isso mesmo? Será que veremos algum indício de revolta dessa gente que invadiu meu blog para me condenar? Ou será que deixaremos escancarado para o país todo como essa turma é canalha, dissimulada, sem princípios?

Os ataques, que não são coisa de vândalos, mas sim de criminosos fascistas, foram assinados pela União da Juventude Socialista, ligada ao PCdoB, que por sua vez é “linha auxiliar” do próprio PT. Isso mostra, uma vez mais, como são os próprios socialistas que agem como os fascistas que eles acusam o lado de cá de representar. Vejam essas rápidas imagens feitas por cinegrafista amador:

Boicote é uma escolha voluntária: o consumidor simplesmente exerce seu direito de não comprar um produto. Vandalismo, depredação, pichação, essas coisas são crimes, atentam contra a liberdade dos outros, ferem as leis. São atos, esses sim!, de quem não tolera a democracia e a liberdade alheia. Atos de fascistas!

Quem está revoltado com Veja, por esta fazer com independência seu trabalho jornalístico, pode não comprar a revista, ponto (parece que o PT tem feito o contrário, comprado todas nas bancas para evitar que o público tenha acesso às informações bombásticas do doleiro do PT). Se acha que há algum tipo de injúria na reportagem, existem os caminhos legais para isso. O PT já disse que vai processar Veja (e vai perder).

Mas depredar, quebrar, destruir, isso é coisa de filhote de Lenin, de herdeiro de Stalin, de seguidor de Mussolini, de aprendiz de Hitler. Espero ter deixado bem claro o abismo moral intransponível que nos separa. E espero também que todos os que ainda conseguem estar indecisos depois de tudo, pensem muito bem no voto de amanhã. Pois votar em Dilma é levar junto essa corja autoritária que se julga acima das leis.

Rodrigo Constantino

25/10/2014

às 0:24 \ Corrupção, Democracia

“Para acabar com essa corrupção é preciso tirar o PT do poder”, diz Aécio em debate

Terminou agora o último debate antes das eleições. Aécio Neves estava afiado, demonstrando firmeza e segurança, enquanto Dilma se mostrou nervosa, chegando a gaguejar, com voz trêmula. Provavelmente abatida pelas denúncias recentes que Alberto Youssef, doleiro do PT, fez ao delegado da Polícia Federal, reveladas por Veja.

Foi logo o tema da primeira pergunta do tucano, para mostrar a que veio. Acusou a adversária de ter protagonizado a campanha mais sórdida desde a redemocratização, citando inclusive a reportagem de capa da revista Isto É. Dilma cambaleou, acusou o golpe, preferiu atacar a Veja em vez de comentar o conteúdo que a mensageira apenas disponibilizou, cumprindo sua função jornalística.

A segunda pergunta de Aécio foi outro golpe duro na adversária: nossa infraestrutura capenga, enquanto o governo dela prefere financiar porto bilionário… em Cuba! E pior: sob sigilo, com prazo bem acima do normal de mercado, e sem garantias comumente exigidas! Por que tanto privilégio ao regime ditatorial? Silêncio e tergiversação da petista.

Repetindo sua palavra aparentemente preferida, Dilma só se dizia “estarrecida”. Mas estarrecidos ficamos todos nós, sem as devidas respostas! Foram perguntas importantes, objetivas, que demandavam uma explicação. Nada. Dilma fugiu, como de praxe. Atacou com outras questões secundárias para não ter de enfrentar fatos incômodos.

O terrorismo eleitoral com o Bolsa Família não foi tão explorado dessa vez pela candidata petista, mas bem que tentou. Aécio se saiu muito bem ao afirmar que o povo carente merece subsídios, mas que os ricaços do Bolsa Empresário via BNDES não. Ouch! Dilma, a candidata do “povo”, é na verdade a camarada dos bilionários.

Houve ainda a oportunidade para uma alfinetada cruel de Aécio, ao insinuar que Dilma não conhece bem o Congresso, pois confundiu seu papel como líder do partido, e não do governo. Mostrou mais confiança nas propostas também. Afinal, como bem colocou, quem já fez tem mais autoridade para dizer que vai fazer. Dilma se apresenta como uma candidata praticamente de oposição a ela mesma, ignorando que governou pelos últimos quatro anos, e seu partido por doze.

Ao defender no discurso punição mais severa para corruptos, Dilma deveria ter sido mais cautelosa. Dependendo do andar da carruagem nas investigações do escândalo da Petrobras, ela pode acabar alvo das medidas que prega. Foi implicada diretamente no caso, segundo o doleiro. Ele diz que ela não só sabia, como se beneficiou do esquema.

O ponto alto da noite foi quando Aécio, ainda no tema da corrupção, disse que a medida mais eficaz de curto prazo para acabar com tanta corrupção é tirar o PT do poder. Foi ovacionado no local, e sem dúvida por milhões de residências Brasil afora.

Nem mesmo as cartadas na manga de Dilma surtiram efeito. Tentou, claro, falar sobre a crise de água em São Paulo, mas foi lembrada por Aécio de que a crise afeta boa parte do país, especialmente o nordeste; que não houve ajuda devida do governo federal; e que o diretor da Agência Nacional de Águas, apontado por Rose (por onde anda?), foi para o presídio em vez de ajudar no planejamento. Alckmin, por outro lado, foi reconhecido pelos paulistas como bom gestor, tanto que acabou reeleito no primeiro turno.

Outra provocação legítima de Aécio foi sobre o tema da reeleição, quando perguntou diretamente: quem está governando o Brasil, candidata? Mostrou, antes, que ela praticamente não esteve no Palácio do Planalto nesses últimos dias todos, assim como seus ministros estiveram ausentes, atuando em sua campanha.

Dilma, sobre reforma política, bateu na tecla do financiamento empresarial. Que bola levantada para Aécio! Dilma, do PT, condenando financiamento empresarial depois de arrecadar mais de empreiteiras e bancos do que todos os outros partidos juntos, é como Beira-Mar condenando o tráfico de drogas…

O tucano rebateu bem a insistência de Dilma na comparação, distorcida, com o governo FHC, sempre tirando do contexto aquela época. Quem olha muito para o passado é porque quer fugir do presente ou não tem nada a apresentar para o futuro, jogou na cara da petista.

Uma grande gafe da presidente foi quando uma economista de 55 anos, desempregada, quis saber o que o governo pretendia fazer para ajudá-la. Dilma, que só sabe repetir o Pronatec nessas horas, acabou recomendando um curso técnico. Pronatec para uma economista formada, com 55 anos e sem emprego? Vejam:

Aécio perdeu a chance de mostrar o quanto Dilma se mostrou perdida na questão ao recomendar uma qualificação de primeiro e segundo grau, a do Pronatec, para uma mulher que tem curso superior em economia. Talvez a sua equipe da Unicamp devesse mesmo fazer um curso no Senai e mudar de ramo de atividade. Guido Mantega faria um bem danado ao país se fosse aprendiz de torneiro mecânico…

Por fim, Aécio cobrou aquilo que William Bonner já havia cobrado na entrevista para o Jornal Nacional, sem resposta: o que Dilma, a cidadã e candidata, pensa sobre a condenação de José Dirceu? O chefe do mensalão é um “herói nacional”, como querem os membros de seu próprio partido, ou um criminoso, como diz o STF? Ficamos, uma vez mais, sem saber a resposta. Dilma fugiu. Negou-se a responder.

Como quem cala consente, e como Dirceu continua bem próximo de todos aqueles que estão com Dilma, fico com a opção número um. Vote em Dilma e leve o “herói” Dirceu junto…

PS:  Na fala final, Dilma “paz e amor” falou de um Brasil do amor, da união e da solidariedade. Mais cedo, na campanha da televisão, mostrou uma cara bem mais raivosa. Vamos depredar essa maldita Veja que ousa expor fatos, em nome do amor e da solidariedade? Dilma e o PT são mesmo os ícones da incoerência.

Rodrigo Constantino

24/10/2014

às 20:17 \ Corrupção, Democracia

A ética (novamente) no lixo?

Em 2006, durante a campanha eleitoral e no auge do escândalo do mensalão, escrevi um texto alarmado com a vantagem que o então presidente Lula tinha nas pesquisas. Custava a crer que o eleitor o colocaria novamente no poder, mesmo após tantos escândalos de corrupção. Se assim o fizesse, estaria dando um salvo-conduto, uma carta em branco para o ex-operário.

Dito e feito: Lula venceu, e o PT ficou ainda mais ousado na arte de roubar recursos públicos, aparelhar a máquina e ignorar as leis. O eleitor foi cúmplice naquela ocasião. Ao ignorar a ética, sinalizou ao governo que não ligava para a roubalheira, que seguiu a todo vapor. A economia ia bem, mas será que é o suficiente?

Hoje a economia vai mal, os escândalos não param de surgir, e já implicam até a própria presidente e o ex-presidente Lula, segundo o doleiro do PT. Será que o povo brasileiro vai mesmo assassinar de vez qualquer chance de moralidade na vida pública? Dessa vez, se fizer isso será fatal, sem volta. Eis meu texto da época, que continua válido e atual, e mais necessário do que nunca:

A ética no lixo

“Não se queixe da neve no telhado da casa do seu vizinho, quando a soleira da sua porta não está limpa.” (Confúcio)

Não temos o direito de exigir uma determinada conduta ética dos nossos vizinhos quando nós mesmos a ignoramos por completo. Dizem que o exemplo correto vale por mil palavras na educação dos filhos. Creio estarem certos. A ética da malandragem, o “faça o que eu digo e não o que eu faço”, abre os portões do caos. Se queremos viver em uma sociedade organizada e de confiança – e temos todos os interesses individualistas para desejar isso – devemos abandonar urgentemente essa postura imoral de cobrar dos outros o que não respeitamos individualmente.

A popular “Lei de Gérson”, de tentar tirar vantagem ilícita em cima de todos o tempo todo, cria um ambiente totalmente hostil ao desenvolvimento da sociedade. A relevância do império da lei e da confiança mútua não pode ser subestimada para o sucesso de uma nação. Saber que o próximo irá respeitar as regras isonômicas, e que quando não o fizer será punido, é um ótimo estímulo ao bom andamento das trocas voluntárias entre os cidadãos. Por outro lado, quando impera a lei da selva, quando cada um tenta apenas tirar proveito da inocência alheia ou se organizar para defender seus interesses, por mais injustos e nefastos que sejam, temos um convite irresistível ao atraso. Nenhuma civilização progride decentemente desta forma.

Não fazer com o próximo aquilo que você não gostaria que fizessem contigo é um aforismo bastante razoável, de claro apelo individualista, mas que gera um bom resultado para o coletivo. Infelizmente, esta máxima tem sido bastante ignorada em nosso país, desde os pequenos atos até as decisões que alteram o rumo da nação. Quem realmente respeita o próximo e evita trafegar pelo acostamento durante o engarrafamento? Com receio de ser o “único otário”, a grande maioria acaba aderindo à tentação, prejudicando o resultado geral e todos aqueles que respeitam as regras. Da mesma forma, quantos se dão ao trabalho de recolher as fezes do cão na calçada? Esses exemplos – e existem muitos outros – são simples, do cotidiano, mas denotam o abandono de um código de ética decente. 

Transportando isso para os temas maiores, como a política, vemos um quadro mais preocupante ainda. Eleitores simplesmente parecem ignorar as manchas éticas na trajetória dos candidatos, escolhendo-os somente por puro imediatismo, com critérios totalmente imorais. Se o candidato me garante um cargo público, entrega uma esmola estatal qualquer, discursa com afinidade à minha ideologia, protege meu sindicato ou oferece algum privilégio ao meu grupo de interesse, recebe meu voto. Nada mais prejudicial ao bom funcionamento da democracia a longo prazo. Eleger corruptos para defender um interesse imediato é garantia de perpetuar a miséria em nosso país.

Dito isso, me espanta o fato do atual presidente contar com ampla vantagem nas pesquisas de intenção de votos para as próximas eleições. Afinal, trata-se de um governo atolado em infinitos casos de corrupção, com fortes evidências ou mesmo provas. O próprio Ministério Público já deflagrou o esquema de quadrilha montado pelos principais membros do governo e aliados do presidente, que confiava e ainda confia fielmente neles. São escândalos atrás de escândalos, um mais grave que o outro. Os envolvidos não poderiam ser mais próximos do presidente, que foi o maior beneficiado do esquema. Nem mesmo seu filho escapou ileso. 

A bandeira da ética, sempre utilizada pelo PT, está completamente esgarçada pelas traças do poder. E não obstante tudo isso, Lula será reeleito, ao que tudo indica. Qual a mensagem que o cidadão brasileiro está mandando? O crime compensa? Tanto faz roubar, contanto que pela minha causa? Se a reeleição de fato se concretizar, parece que esse é o recado do povo. A ética será jogada no lixo. Quando isso ocorre, normalmente o futuro da nação vai para o lixo também. Pobres daqueles cidadãos honestos, que não compactuam com o crime nem são complacentes com os corruptos. Pagarão o preço da irresponsabilidade e da falta de ética da maioria do povo.

Rodrigo Constantino

24/10/2014

às 19:15 \ Democracia, Sindicalismo

Alexandre Accioly denuncia crime eleitoral contra Aécio

Vejam como o PT joga sujo, como não é um partido, mas uma máfia, um ajuntamento criminoso ligado aos pelegos do sindicalismo chapa-branca. O empresário Alexandre Accioly, que é amigo de Aécio Neves e padrinho de seus filhos, viu algumas pessoas distribuindo um jornal produzido pela CUT em que o candidato tucano é acusado de “inimigo do Rio”. Fez seu dever de cidadão e chamou a polícia, que infelizmente não fez nada:

O Extra divulgou o ocorrido: No vídeo, Accioly pergunta quem a pagou para distribuir os folhetos. Acanhada, a mulher apenas responde “você que não é” e pergunta se o empresário não tem nada para fazer.

Ao ser abordada pelo policial, ela disse que só ia para a delegacia depois de falar com seu supervisor. O policial acompanhou-a até uma barraca do PT, perto do morro do Cantagalo, onde além do jornal, havia panfletagem para a candidata Dilma Rousseff. Todos foram para 14ª delegacia.

- Quando chegamos lá o delegado disse que nada podia fazer, porque não era da competência de sua delegacia. Todos foram liberados e continuaram panfletando como se nada tivesse acontecido. O jornal diz que o Aécio é contra o Rio e inimigo público. Isso é um absurdo. O jornal foi produzido pela CUT. Pela lei, sindicatos não podem fazer isso – protestou Aciolly.

Chamados, os advogados da campanha de Aécio recolheram material para entrar com uma representação no TSE.

É assim que o PT quer ganhar: perdendo qualquer resquício de dignidade! O partido não sabe jogar dentro das regras do jogo. Os sindicatos como a CUT são bancados com dinheiro público (imposto sindical) e adesão compulsória.

É essa simbiose nefasta entre estado inchado, sindicatos corruptos e grandes empresários (que mamam no BNDES) que caracteriza o “capitalismo de laços” ou de compadrio. O outro nome para esse modelo, adotado por Mussolini na itália, é fascismo.

Rodrigo Constantino

24/10/2014

às 18:43 \ Democracia, Previdência Social

Recado aos jovens e idosos: não vamos destruir os sonhos de mudança

Vídeo em que faço um apelo aos jovens e idosos para que votem, mesmo sem obrigação, pois o país vive uma encruzilhada e é o futuro de todos em jogo.

Rodrigo Constantino

 

Serviços

 

Assinaturas



Editora Abril Copyright © Editora Abril S.A. - Todos os direitos reservados