Blogs e Colunistas

07/12/2010

às 16:52 \ Vasto Mundo

Touradas: 2 vídeos de cenas que não mais existirão na Catalunha dentro de pouco mais de 1 ano

Amigos, cenas de touradas como as que você vai ver nos vídeos abaixo, feitos por mim, não ocorrerão mais a partir de 1º de janeiro de 2012 na Catalunha, a região mais rica e a segunda mais populosa da Espanha.

Atendendo a uma iniciativa popular com mais de 180 mil assinaturas, e supostamente em nome dos “direitos dos animais” — na verdade, tratou-se de mais uma forma de o nacionalismo catalão se afastar do conjunto da Espanha, onde os touros ainda são uma paixão nacional –, as multisseculares corridas de toros foram banidas do território catalão no dia 28 de julho passado, por 68 votos a 55 e 9 abstenções, pelo parlamento dessa Comunidade Autônoma da Espanha.

Os vídeos abaixo não chegam a ser uma raridade, mas quase: foram feitos na penúltima corrida da penúltima temporada — a de 2010 — na última plaza de toros ainda existente na Catalunha, a Monumental de Barcelona.

Vejam, neste primeiro vídeo, a beleza que é o touro saindo dos toriles ou chiqueros em toda sua força e esplendor.

Neste segundo vídeo, veja o que mobilizou tanta gente na Catalunha, além do nacionalismo, a colocar seu nome no abaixo-assinado encaminhado ao Parlamento — e o que mobiliza muita gente em outras regiões da própria Espanha contra as touradas: o sofrimento, a agonia e a morte do touro depois de ser estocado pelo matador.

Deixe o seu comentário

Aprovamos comentários em que o leitor expressa suas opiniões. Comentários que contenham termos vulgares e palavrões, ofensas, dados pessoais (e-mail, telefone, RG etc.) e links externos, ou que sejam ininteligíveis, serão excluídos. Erros de português não impedirão a publicação de um comentário.

» Conheça as regras para a aprovação de comentários no site de VEJA

Envie um comentário

O seu endereço de email não será publicado

17 Comentários

  • Antônio Simões

    -

    10/12/2010 às 17:13

    Sr. Costamcs, a questão nacionalista têm sim muita influência na proibição das touradas em Barcelona.Em 2009 o governo do socialista Zapatero não concordou com vários pedidos de mais autonomia para a Catalunha,e os parlamentares catalães,resolveram retaliar com essa proibição.Não o fizeram por uma suposta civilidade, consciência ou moralidade superior(verifique o placar da votação no post do Setti)e muito menos por clamor popular,mas,por puro e irracional chauvinismo político.Já morei na Espanha por um longo período e creio que tenho algo a dizer sobre tal questão.E antes de fazer algum juízo sobre a minha opinião favorável às corridas de touros,faça uma análise de seu desejo que a morte atinja o toureador,afinal,os sádicos,insensíveis e intolerantes sou eu e os falecidos Hemingway,Manet e Picasso?PS:O artista espanhol e catalão é atualmente vilipendiado pelas patrulhas “politicamente corretas”,por causa de sua personalidade indomável,contestadora e de uma sinceridade que deixa os tais “artistas” de hoje em dia(na maioria,uns impostores,vendidos),e seus mesmerizados seguidores,aturdidos e melindrados com um homem de espírito implacável e genial.A moderna patrulha política e moral,adora,fazer pose de “iluminista”,mas,com a devida cutucada mostra instantaneamente sua face autoritária,populista e obscurantista¡Adiós!

    Caro Simões, obrigado pelo comentário. Só uma pequena retificação: Picasso viveu quando jovem em Barcelona, mas ele não era catalão, e sim andaluz. Era malaguenho, nasceu em Málaga, na Andaluzia.

    Abração

  • Isabel

    -

    9/12/2010 às 23:41

    Não entendo como esse absurdo ainda exista.
    Aqui no NE nós temos as famigeradas vaquejadas que além da tortura aos animais é um antro de perdição e curral eleitoral.

  • costamcs

    -

    9/12/2010 às 21:11

    Ricardo, olha que interessante esse argumento contra que achei em um site português:

    “Portugal não se pode permitir continuar a prática do crime económico que é desperdiçar milhares de hectares de terra para manter as manadas de gado, dito bravo. A verdade é que são precisos dois hectares de terreno, o equivalente a dois campos de futebol, para criar em estado bravio cada boi destinado às touradas. Ora isto é tanto mais criminoso quando Portugal é obrigado a importar metade da alimentação que consome. Decerto os milhares de hectares desperdiçados a tentar manter bois em estado bravio, produziriam muito mais útil riqueza se aproveitados em produção agrícola, frutícola, etc.”

    o site é http://www.lpda.pt/01campanhas/touradas.htm

    Numa extensão de terra tão pequena, até que faz sentido. Abraços, Marcia Costa.

    Obrigado pela excelente dica. Quer dizer que mesmo em Portugal, onde os touros não são maltratados nem mortos, há oposição às touradas por distintas razões. Bem interessante, mesmo.
    Obrigado.

  • costamcs

    -

    9/12/2010 às 20:53

    Ou melhor, é quase trocar 6 por meia dúzia. O que adianta tão bom tratamento se o final será a tortura? E, além do mais, que argumento é esse que diz: se uns sofrem por ficarem confinados, porque nós não podemos ser cruéis também e fazer os touros sangrar até a morte?

    Caro Costamcs, não discuta comigo, é o argumento deles…

  • costamcs

    -

    9/12/2010 às 20:48

    E que morte, né?

  • costamcs

    -

    9/12/2010 às 19:02

    Ricardo, o argumento desse pessoal de que milhões de animais são mortos para alimentação é muito fraco. Os métodos de abate de hoje são indolores e mesmo aqueles animais que são mantidos em eterna vigília, como os frangos, não sofrem a tortura comparável a que sofrem os touros na arena. E além disso, uma coisa é matar um animal para alimentação humana e outra é sentir prazer e alegria em assistir uma luta já marcada pelo vencedor. Como disse em outro post, a vingança é quando um touro, contra todas as expectativas, consegue vencer o seu agressor. Ah, eu não tenho pena do toureiro atingido? NÃO.

    O que os defensores dos touros mais assinalam não se refere aos métodos de abate, mas à vida terrível que sofrem os animais confinados, em comparação com a dos touros — até sua morte, naturalmente.

  • costamcs

    -

    9/12/2010 às 18:45

    Antonio Simões, Adiós Toros? Adeus covardia sangrenta travestida de tradição. Lá na tribo dos bantus também era costume o canibalismo. Se é atitude pró ou contra nacionalista é uma discussão que foge totalmente da questão. Quanto a seduzir ou não o Picasso, ah fala sério! o pintor era um bom exemplo de um grande FDP, capaz de de tratar qualquer um como se estivesse em uma arena de touros.

  • jefferson

    -

    8/12/2010 às 10:12

    Parece que em Portugal as touradas não matam e nem ferem o touro!

    É verdade. E na Espanha já há um grupo de “toureiros-acrobatas” que se exibem diante dos touros fugindo deles com incríveis malabarismos. Não se machucam os touros e o espetáculo é excelente de se ver.

    Abração

  • Antônio Simões

    -

    8/12/2010 às 4:15

    Infelizmente,contra um costume supostamente “selvagem e sangrento”,outro hábito mais danoso,bem enraizado na mente das pessoas,não somente da Catalunha,mas de todo o Mundo,é o nacionalismo exarcebado,um atavismo que conduziu milhões de preciosas vidas humanas para guerras,pelotões de fuzilamento e campos de concentração.E todos esses protestos catalãs indignados,apenas escondem essa incurável e letal doença que deforma,maltrata e faz sangrar até hoje nações inteiras,e,sempre teremos os justificadores para todos os excessos causados pelo nacionalismo!A tradição da tourada,e toda o espétáculo de fortes emoções que seduziram artistas como Picasso,Manet e o escritor Ernest Hemingway,a ingente e honesta luta entre homem e animal,será varrida lamentavelmente pelos extremistas,que encontraram uma desculpa para extingüir uma cultura secular,e que incrivelmente agora,séculos depois,descobriram ser somente “espanhola”,e não catalã.¡Adiós toros!

  • Perola Soares Zambrana

    -

    8/12/2010 às 0:02

    O touro é furado pela lança do picador e começa a sangrar.Os banderilheiros enfiam pequenas lanças com bandeirinhas bem perto dos ferimentos e elas se movem dentro do touro com seus movimentos – pense como doi quando a gente sem querer enfia uma lasca de madeira no dedo ou na mão e imagine um espeto de ferro se movendo dentro das costas.É isso que o touro sente.E o toureiro o provoca,fazendo o touro se movimentar sempre mais.O touro corre,sangrando,e perdendo as forças.O touro ao final sangra pela boca,e muge dolorosamente,pois percebe que vai morrer.E o toureiro,bancando o corajoso,mata um touro debilitado,que sofreu, sangrou e perdeu as forças durante quase uma hora de maus tratos.Fico feliz de saber que as touradas estarão proibidas na Catalunha – é a barbárie sendo vencida.Os animais tem sistema nervoso e sentem dor como nós,mas parece que as pessoas nem pensam nisso.

    Cara Pérola, você sabe um dos argumentos do pessoal pró-touradas? A esdrúxula, espantosa teoria de que o touro “não sente dor”. Mas eles argumentam com outros pontos interessantes: e os milhões (literalmente, milhões) de animais que não apenas são mortos de forma pavorosa para a alimentação humana, mas têm vidas pavorosas? Frangos que crescem mais do que deveriam porque, sob iluminação artificial, julgam que é sempre dia, bois confinados — especialmente na Europa — que passam praticamente uma vida sem andar mais do que 100 metros, matadouros mundo afora em que os bois são mortos a marretadas etc. Os touros, dizem eles, vivem como príncipes, são totalmente livres, bem alimentados e exercitados, se reproduzem etc até o único dia em que vão sofrer e morrer — o dia da tourada.

    Pessoalmente, acho qualquer forma de crueldade com animais intolerável, embora no passado tenha gostado de touradas. Supostamente a inteligência do homem contra a força bruta do bicho. Nada disso: o touro, antes da corrida, é mantido sem alimentação, no escuro, sai para a arena de uma hora pra outra, com aquela claridade espanhola explodindo nos olhos, é castigado severamente pelos “picadores”, depois pelos banderilheiros, e, na batalha frinal com o toureiro, está completamente exaurido pela dor e pelos sangramentos.

  • Frederico Hochreiter/BH

    -

    7/12/2010 às 21:38

    Nunca assisti a uma “corrida de toros”. Só li os contos de Hemingway e os achei, literariamente,muito fracos. O Papa tenta compensar a falta de assunto com longas descrições técnicas sobre picadores (que ele chama de pics) e referências a veronicas e outros troços que só os aficcionados entendem. Seu primeiro vídeo é uma beleza, o ballet que dançam o touro e o “matador”. Seria o caso de perguntar, por que não se limitam só ao lado estético da coisa? Que falta faz a estupidez do segundo vídeo? Já que não se contentam só com o primeiro, melhor proibir mesmo.

  • Raphael

    -

    7/12/2010 às 20:08

    Há 4 anos me tornei vegetariano por não suportar ver animais morrendo de maneira tão dolorosa, ainda que seja para saciar os paladares humanos. Tanta inteligência, poderíamos muito preservar a natureza e respeitar os animais. Pior ainda, eu não compreendo como as pessoas ainda se divertem com tamanha monstruosidade como é o caso das touradas. O prazer de ver um animal ser morto aos poucos. Esse prazer aterrorizante de assistir cenas de torturas. De qualquer forma devemos denunciar e parabéns pela matéria.

  • Ivanildo Terceiro

    -

    7/12/2010 às 19:42

    O toureiro e o touro não lutam em igualdade de condições, o toureiro conta com a ajuda de vários outros homens que jogam verdadeiras lança em direção ao animal para que ele fique mais ” fraco ” . Ora como podemos considerar algo um espetáculo , se tal espetáculo tem como único objetivo promover a tortura de um ser vivo.

  • Lilian

    -

    7/12/2010 às 18:58

    Setti,
    A minha torcida é sempre para o touro.
    Abraços!

  • Angelo Losguardi

    -

    7/12/2010 às 18:41

    Se isso foi só uma forma do nacionalismo catalão se afirmar, viva o nacionalismo catalão. Essas maldades abjetas contra os animais tem mesmo todas que ser banidas. Se nos escondêssemos atrás da desculpa fácil da tradição, ainda estaríamos praticando sacrifícios humanos ou canibalismo.

  • costamcs

    -

    7/12/2010 às 17:21

    Beleza mesmo é quando um touro consegue atingir um toureiro com seus chifres cravando de ponta a ponta. É uma vingança mais qe merecida. A covardia humana em assistir a desnecessária agonia de um animal me faz ver o que de pior trazemos em nós.

  • Alvaro Augusto

    -

    7/12/2010 às 17:08

    O ser humano, na Catalunha ou em qualquer lugar, é realmente uma besta quadrada!

 

Serviços

 

Assinaturas



Editora Abril Copyright © Editora Abril S.A. - Todos os direitos reservados