Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

O Som e a Fúria Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO

Por Felipe Branco Cruz
Pop, rock, jazz, black music ou MPB: tudo o que for notícia no mundo da música está na mira deste blog, para o bem ou para o mal
Continua após publicidade

A histórica Páginas Amarelas de VEJA com Madonna: “Faço o que quero”

Em entrevista a VEJA em 1992, cantora falou de princesa Diana e das polêmicas em que estava envolvida à época - de forma provocativa, claro

Por Kelly Miyashiro Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 9 Maio 2024, 15h11 - Publicado em 3 Maio 2024, 11h29

Com 34 anos e após lançar o livro Sex, uma coletânea de 327 fotos, entre retratos e registros sensuais, Madonna cedeu uma entrevista catártica para o jornalista Elio Gaspari para uma edição histórica das Páginas Amarelas de VEJA em 1992, quando a artista já era uma consagração mundial — e alvo da crítica mais do que nunca. Na conversa, a cantora — sem papas na língua e transgressora como sempre — falou abertamente sobre a censura que sofria de uma sociedade conservadora, da sua luta contra o sexismo e a perseguição a negros e gays, mencionava preferências sexuais e até criticou o escrutínio vivido à época pela princesa Diana (1961-1961). Madonna também não se furtou de desmentir diversos boatos que circulavam sobre ela — como se era lésbica, se teria dormido com Michael Jackson (1958-2009), se saía de limusine pegando garotos no sul de Manhattan e até se teria ido sem calcinha a um desfile de moda. Tudo mentira, segundo a própria. A única verdade entre as histórias mencionadas pela entrevista é de que a estrela, de fato, gostava de receber tapas.

Trecho das Páginas Amarelas de 1992 com Madonna para VEJA
Páginas Amarelas de VEJA com Madonna em 1992; entrevista feita por Elio Gaspari  (ACERVO/VEJA)
Trecho das Páginas Amarelas de 1992 com Madonna para VEJA
Entrevista de VEJA com Madonna saiu na edição de 25 de novembro de 1992 (ACERVO/VEJA)
Confira os principais trechos:

Você é a artista mais famosa do mundo e também a estrela mais censurada de todos os tempos. Essa repressão destina-se a domesticá-la. Por que você não baixa a bola? Eu sou censurada porque procuro mostrar a verdade e a verdade incomoda. A ideia de me conformar não me passa pela cabeça. Faço o que eu quero e vou continuar a fazer. Os artistas não devem se conformar. Quer saber de uma coisa? Essa questão nem me preocupa.

Você põe medo nas pessoas. Seu comportamento, sua sexualidade, sua nudez e até mesmo suas roupas amedrontam. Por que? Não sei, nem sou eu quem tem que saber. Eu faço minhas coisas a sério. Não sou eu quem tem que explicar a reação dos outros. As coisas que eu faço não são estranhas e eu sempre fui como sou. Nunca pedi desculpas, nem vou começar a pedir. Pelo contrário, não vou parar minha luta.

E qual é sua luta? Contra o racismo, o sexismo, a perseguição contra homossexuais, o preconceito, a ignorância.

Continua após a publicidade

Na última frase do seu livro Sex você diz que “muita gente tem medo de dizer o que quer e é por isso que eles não conseguem o que querem”. Esse medo é o mesmo em todas as áreas da sociedade? O mesmo, de alto a baixo. Há muita repressão, muita mistificação.

O que acha da princesa Diana? Eu tenho pena do que fazem com ela. Todo mundo pega no pé dessa moça. Ela não é uma artista, é uma princesa. Casou com um sujeito para ter e criar filhos, Cercaram-na de tal maneira que ela vive numa situação temível. Tudo o que se escreve sobre ela é ruim, perverso. Deviam deixá-la em paz.

Por quais razões você acha que a sociedade americana vai mal? Porque nela não se diz a verdade e porque as pessoas não se divertem, não vivem a vida com prazer. É um problema que começa na infância e vai adiante no processo educacional. As pessoas são educadas para terem medo de tudo. Há medo demais por aí.

Se você fosse homem a baixaria contra seu trabalho seria a mesma? Não posso saber, porque não sou homem, mas acho que seria bem menor.

Continua após a publicidade

Quanto? Digamos que ela seria um quinto do que é. É um palpite razoável.

A obscenidade existe? Existe e está diante das nossas caras. É o racismo, a discriminação sexual, o ódio, a ignorância, a miséria. Há coisa mais obscena que a guerra?

Trecho das Páginas Amarelas de 1992 com Madonna para VEJA
Trecho das Páginas Amarelas de VEJA com Madonna: “Acho que há muita gente querendo que eu dê um mau passo”  (ACERVO/VEJA)
Páginas Amarelas com Madonna - página 9
Páginas Amarelas com Madonna; cantora falou do filme ‘Body of Evidence’ (ACERVO/VEJA)
Páginas Amarelas com Madonna - página 10
Madonna não fugiu do assunto sobre ter ido nua a uma pizzaria  (ACERVO/VEJA)
Páginas Amarelas com Madonna - página 11
As opiniões da artista sobre Frida Kahlo e homens famosos  (ACERVO/VEJA)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.