Clique e assine a partir de 9,90/mês

Coronavírus: propagação desacelera no interior de SP, diz governo

A projeção do governo era de que a epidemia chegasse a 645 municípios até o final de maio, mas total foi de 525 cidades com casos confirmados da doença

Por Da redação - Atualizado em 1 jun 2020, 15h15 - Publicado em 1 jun 2020, 15h12

De acordo com o governo do estado de São Paulo, houve uma desaceleração da propagação da epidemia de coronavírus no interior do estado de São Paulo. De acordo com Marcos Vinholi, secretário de Desenvolvimento Regional do estado de São Paulo, a projeção do Centro de Contingência de combate ao coronavírus em São Paulo era que a doença estivesse presente em 645 municípios do estado até o final do mês de maio. Na realidade, foram 525 cidades, o que, segundo Vinholi, indica uma desaceleração.

O número total de óbitos no estado também ficou abaixo da projeção do centro de contingência em cerca de 30%. Era esperado que até o final de maio fossem registrados entre 9.000 e 11.000 óbitos no estado, mas o número de mortes confirmadas até o dia 31 de maio foi de 7.667. Ainda segundo Vinholi, houve uma queda também na letalidade da doença no estado. A taxa saiu de 8,9% para 6,9%.

ASSINE VEJA

As consequências da imagem manchada do Brasil no exterior O isolamento do país aos olhos do mundo, o chefe do serviço paralelo de informação de Bolsonaro e mais. Leia nesta edição
Clique e Assine

A taxa de isolamento no último domingo, 31, ficou em 53% no estado e 55% na capital paulista. Até domingo, 31, foram registrados 111.296 casos e 7.667 óbitos. A taxa de ocupação das UTIs está em 69,3% no estado e 83,2% na Grande São Paulo. Além disso, 12.558 pessoas permanecem internadas com diagnóstico confirmado ou suspeita de Covid-19. Destas, 7.777 em enfermaria e 4.681 em UTI.

Flexibilização

Nesta segunda-feira começa uma nova etapa da quarentena no estado e algumas regiões, incluindo a capital paulista, já podem reabrir estabelecimentos em diversos setores da economia, respeitando as restrições de segurança impostas pelo governo. Na quarta-feira, 3, será apresentado o primeiro balanço semanal de como as regiões estão evoluindo no controle da pandemia e divulgar quais serão os critérios para passar para a próxima fase da flexibilização, o que poderá ser feito a cada quinze dias.

Publicidade