Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

CoronaVac: Anvisa aprova uso emergencial de mais 4,8 milhões de doses

O novo lote teve matéria-prima produzida na China, mas foram envasados no Instituto Butantan

Por Mariana Rosário Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 24 mar 2021, 14h30 - Publicado em 22 jan 2021, 16h30

Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou o uso emergencial do segundo lote com 4,8 milhões de doses da vacina CoronaVac, contra a Covid-19, desenvolvida pelo laboratório Sinovac Biotec em parceria com o Instituto Butantan. O parecer favorável ocorreu após voto unânime dos diretores Meiruze Sousa Freitas, Romison Rodrigues Mota, Alex Machado Campos, Cristiane Rose Jourdan Gomes e do diretor-presidente Antônio Barra Torres.

Trata-se da segunda aprovação do antígeno pela agência. A diferença entre o primeiro e o segundo lote diz respeito à fabricação desas doses: as 6 milhões iniciais foram totalmente produzidas na China. As atuais têm matéria-prima produzida na China, mas foram finalizadas e envasadas no Instituto Butantan. Para conceder a autorização, a Anvisa comparou as duas produções para verificar se as aplicações têm as mesmas propriedades.

No entendimento da agência, o frasco multidoses —com dez aplicações — deve ser totalmente utilizado, uma vez aberto, em até 8 horas. Do contrário, a agência teme não garantir a integridade do antígeno. Na aprovação anterior não havia essa preocupação pois cada frasco continha apenas uma aplicação. A gerência-geral de medicamentos e produtos biológicos foi a primeira a sugerir a aprovação desse segundo lote.

LEIA TAMBÉM: Covid-19 em 2021: 4 certezas e 7 dilemas para o segundo ano da pandemia

O departamento de inspeção e fiscalização de insumos farmacêuticos apontou que nenhuma das 5.000 unidades de testes apresentaram contaminação pós-incubação, o que significa que o controle de qualidade cumpre seus requisitos no tema. Além disso, tanto a Sinovac quanto o Butantan têm pareceres positivos em inspeções de suas dependências de produção pela  Anvisa. A Gerência-Geral de Inspeção e Fiscalização Sanitária também ratificou a recomendação estendendo-a a outros lotes produzidos da mesma maneira.

A diretora Meiruze Sousa Freitas relembrou a importância de que se cumpra o que está assinado no termo de compromisso assinado após a primeira aprovação de uso emergencial do medicamento . Esse documento determina que, até 28 de fevereiro, seja feita e apresentada à Anvisa a complementação dos estudos de imunogenicidade, conforme aprovado no desenho de estudo clínico fase III da vacina.

Também foi ressaltado que o Butantan deve enviar periodicamente resultados de estabilidade — algo como validade do medicamento — ao longo do tempo.

Confira o número de brasileiros já vacinados com as primeiras 6 milhões de doses da CoronaVac:

Continua após a publicidade

Nesta sexta-feira, 22, o Brasil teve médias móveis de 51. 489,7 casos confirmados e 999,6 mortes em decorrência da Covid-19.

 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.