Clique e assine a partir de 8,90/mês

Quatro curiosidades sobre o jovem que pode ser o primeiro santo millennial

O adolescente Carlo Acutis, que morreu de leucemia em 2006, aos 15 anos, foi beatificado na Itália

Por Da Redação - Atualizado em 15 out 2020, 13h09 - Publicado em 16 out 2020, 06h00

- Beatificação
Nas últimas décadas, o Vaticano destravou as engrenagens dos processos para acelerar a nomeação de novos santos, batendo recordes de concessão de títulos do gênero. Agora, está prestes a reconhecer o primeiro da geração millennial, como são conhecidas as pessoas nascidas entre 1980 e 1996. O adolescente Carlo Acutis, que morreu de leucemia em 2006, aos 15 anos, foi beatificado na Itália no sábado 10. É o último passo antes da canonização.

- Fé on-line
O mais precoce beato da história usava a internet para divulgar sua fé, sendo apelidado de “o anjo bom da juventude”. Ele criou um site para catalogar milagres e difundi-los pelo mundo e ajudou a administrar sites para organizações católicas.

- O milagre
Em 2013, o Vaticano o colocou no radar dos processos de canonização. A história que chamou a atenção para o caso foi uma suposta cura de um menino brasileiro que sofria de uma rara doença pancreática. O garoto de Mato Grosso do Sul teria sido curado após tocar em relíquia de Carlo Acutis. Para ele tornar-se santo, a Santa Sé precisa verificar um segundo milagre em seu nome — mas o papa Francisco já dispensou esse requisito em ocasiões anteriores.

- Família
Carlo Acutis nasceu em maio de 1991, em Londres, na Inglaterra, filho de pais italianos. Pouco tempo depois, a família se mudou para Milão. Na adolescência, apaixonou-se por computadores e virou um programador autodidata. O jovem estava envolvido em trabalhos de caridade e gastava o próprio dinheiro ajudando pessoas carentes em sua região. Uma das instituições que auxiliava era um centro de alimentação em Milão.

Publicado em VEJA de 21 de outubro de 2020, edição nº 2709

Continua após a publicidade
Publicidade