Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

STF volta ao trabalho com prisão de Lula e foro no horizonte

Ex-presidente deve recorrer ao Supremo caso STJ não lhe conceda habeas corpus contra prisão; plenário já tem maioria para limitar foro de parlamentares

Depois de 42 dias de recesso, funcionando em regime de plantão, o Supremo Tribunal Federal (STF) retoma suas atividades nesta quinta-feira. Neste ano, que se iniciará oficialmente na Corte em sessão solene às 9h, os ministros do STF concluirão julgamentos relevantes às investigações anticorrupção em curso no país.

O tema mais polêmico em torno da Operação Lava Jato e seus desdobramentos, o das prisões após condenação em segunda instância, no entanto, não voltará a ser debatido, ao menos segundo a presidente do Supremo, ministra Cármen Lúcia, a quem cabe definir a pauta de julgamentos.

O STF já decidiu duas vezes sobre o assunto, em 2009 e 2016. O último entendimento é o de que é possível, sim, que condenados em segundo grau sejam presos para iniciar o cumprimento da pena. Em um novo julgamento, no entanto, alguns ministros, como Gilmar Mendes, indicam que poderiam mudar de opinião e se posicionarem contra as prisões após segunda instância.

Embora a presidente do STF tenha negado a nova votação, a discussão ganhou força depois da condenação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4). Por unanimidade, os desembargadores da 8ª Turma do tribunal sentenciaram Lula a 12 anos e um mês de prisão e determinaram que ele deve ser detido a partir do julgamento de seus recursos no próprio TRF4. O petista já teve um habeas corpus preventivo contra a possível prisão negado liminarmente por um ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ) e recorrerá ao STF caso a decisão seja mantida no STJ.

Relator de duas ações que pedem a revisão do atual entendimento do STF, o ministro Marco Aurélio Mello pediu em dezembro de 2017 que elas fossem incluídas na pauta do plenário do Supremo. Agora, Marco Aurélio afirma que não pressionará Cármen Lúcia a pautar o tema. Em um jantar em Brasília na última segunda-feira, ela declarou que seria “apequenar” o STF levar o assunto a julgamento em função de um único caso, o de Lula.

Por outro lado, devem voltar ao plenário as análises da restrição do foro privilegiado de deputados e senadores e da possibilidade de a Polícia Federal (PF) fechar acordos de delação premiada, ambos julgamentos já com maioria formada e interrompidos antes da decisão final. Também será julgada a suspensão do indulto de Natal assinado pelo presidente Michel Temer (MDB) em dezembro. A medida foi criticada por beneficiar condenados por crimes sem violência, como corrupção e lavagem de dinheiro, e barrada por Cármen Lúcia  durante o recesso do tribunal.

Foro privilegiado

O julgamento que pode restringir o foro privilegiado de deputados e senadores foi interrompido em novembro de 2017 por um pedido de vista do ministro Dias Toffoli. Quando Toffoli suspendeu a análise do assunto, havia sete votos favoráveis ao entendimento de que o foro dos parlamentares deve se limitar a crimes cometidos durante o exercício do mandato e em função dele, conforme o voto do relator, Luís Roberto Barroso. O ministro Luís Roberto Barroso propôs uma restrição menor do foro privilegiado, divergindo de Barroso no sentido de que todos os crimes comuns cometidos após a diplomação no mandato, mesmo que não relacionadas a ele, devam ser abarcadas pelo foro, enquanto infrações antes da diplomação no mandato, não.

Os oito ministros que votaram concordaram que o juiz ou o tribunal responsável por julgar um processo não podem ser alterado em função do foro privilegiado após a conclusão da instrução processual, fase em que são ouvidos testemunhas de acusação, de defesa e os réus.

O pedido de vista significa que Dias Toffoli precisa de mais tempo para construir seu voto e a decisão fica suspensa. Ainda não votaram os ministros Toffoli, Gilmar Mendes e Ricardo Lewandowski.

Delações fechadas pela PF

Outro julgamento interrompido antes do resultado final, mas que já tem maioria entre os ministros, é o da possibilidade de a Polícia Federal fechar acordos de delação premiada. Quando a decisão foi suspensa, em dezembro de 2017, a Corte tinha seis votos a favor das delações negociadas pela PF e um contrário, mas todos com divergências. Os sete ministros concordaram, contudo, que as delações negociadas pela PF só terão valor se o Ministério Público referendarem os acordos e os delegados da corporação forem impedidos de acertar penas com os colaboradores. A ação foi movida pela Procuradoria-Geral da República (PGR), que alega que a possibilidade de a PF firmar acordos enfraquece a atribuição do Ministério Público de oferecer denúncia contra criminosos.

Já votaram os ministros Marco Aurélio Mello, Alexandre de Moraes, Luís Roberto Barroso, Rosa Weber, Luiz Fux e Dias Toffoli, todos favoráveis às negociações pela PF, e Edson Fachin, contrário. Restam os votos dos ministros Celso de Mello, Gilmar Mendes, Ricardo Lewandowski e Cármen Lúcia.

Indulto de Natal

Cármen Lúcia suspendeu os trechos do decreto de indulto de Natal assinado pelo presidente Michel Temer (MDB) que permitiam a concessão do benefício a presos não reincidentes que tenham cumprido apenas 1/5 da pena em crimes sem violência, o que inclui práticas como corrupção e lavagem de dinheiro. Até 2016, era preciso que o detento tivesse ficado na prisão ao menos 1/4 do tempo estabelecido na sentença.

A decisão da presidente do STF atendeu a pedido da procuradora-geral da República, Raquel Dodge, e foi concedida em caráter liminar por Cármen. O caso será ser submetido ao relator da ação, ministro Luis Roberto Barroso, e deverá ir ao plenário do Supremo.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. sinesio gimene

    os bandidos da corte votam ao trabalho , sao bandidos descidindo o destino do pais, soltam marginais que matam milhoes de pessoas por falta de saude, por falta de segurança, por uma bagunça politica protegendo bandidos politicos e prendem ladrao de galinha que rouba pra matar a fome, uma vergonha esta corte de bandidos indicados por bandidos politicos

    Curtir

  2. Ataíde Jorge de Oliveira

    😮
    O Tempo RüGE
    IÇÇO d’AÍ p/Q : o SëXO dos ANjOS jA ESTÁ d e v i d a m e n t e ÇüMULAD@ 😮

    Curtir

  3. Sempre atribui á (falta de) Justiça o estado em que o país se encontra. Hoje consigo identificar mais precisamente a causa dos nossos problemas. É o STF. A instância que deveria ser “o Norte” das nossas relações jurídicas, é exatamente aquela que desorienta, desestabiliza, solapa, implode, o nosso Estado de Direito. Sou a favor de uma ampla revisão da forma como são preenchidos os cargos de ministro do STF.

    Curtir

  4. STF retorna ao trabalho? que trabalho? ESSES VAGABUNDOS NÃO CONDENARAM NENHUM CORRUPTO, MUITO PELO CONTRÁRIO. LIBERTARAM TODOS OS CORRUPTOS PRESOS. MELHOR TERIA SIDO QUE ESTES VAGABUNDOS JAMAIS VOLTASSEM, NÃO FAZEM A MENOR FALTA. BANDO DE VAGABUNDOS!!!

    Curtir