Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Dilma sobre Marina: ‘Nunca sei o que ela pensa’

Presidente diz que a adversária mudou de opinião sobre alteração nas leis trabalhistas; petista também minimizou dados sobre desigualdade

Por Gabriel Castro, de Brasília 18 set 2014, 19h27

A presidente-candidata Dilma Rousseff (PT) desferiu mais um ataque a Marina Silva (PSB) nesta quinta-feira. Ao comentar a opinião da adversária sobre a necessidade de atualização de leis trabalhistas, a petista manteve a estratégia de apresentar a oponente como alguém que não tem opiniões firmes. “Eu nunca sei de fato o que ela pensa, porque ela pensa uma coisa num dia e outra coisa no outro dia”, disse.

Leia também:

Dilma ensaia novo discurso do medo contra Marina: ‘Não mexo em 13º e férias’

Crise com PT faz Dilma vetar divulgação de programa de governo

Dilma diz não temer depoimento de Paulo Roberto Costa

A candidata do PSB defendeu nesta quarta uma atualização das regras atuais, o que foi suficiente para o PT espalhar a insinuação de que ela poderia alterar o décimo terceiro salário e as férias. Nesta quinta, Marina esclareceu que não pretende mexer em temas centrais da legislação.

As afirmações da presidente foram dadas em entrevista concedida no Palácio da Alvorada. Dilma também minimizou os dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), divulgada nesta quinta, que mostram que há três anos o país não consegue reduzir a desigualdade. A presidente afirmou que o resultado é natural. “Nesse período, ela deu uma flutuada. Agora, todos os dados que nós temos, do próprio IBGE, mostram uma queda de 0,1% ao mês”, disse ela.

A petista enfatizou os aspectos positivos da pesquisa, que mostram uma melhora na escolaridade e um aumento no número de eletrodomésticos nas casas dos brasileiros. “Eu achei muito interessante o aumento na máquina de lavar, porque tira a mulher do tanque”, afirmou a presidente.

Dilma ainda falou sobre as queixas de universidades estrangeiras sobre alunos do programa Ciência Sem Fronteiras. Como não há controle de presença nem cobrança de desempenho acadêmico, muitos alunos acabam fazendo turismo com os recursos que deveriam custear os estudos. Segundo ela, o governo nunca recebeu uma queixa oficial. “Os que fizerem isso são pessoas que estão desmerecendo o país, lamentavelmente. Agora, isso não é significativo dos que estão lá”, afirmou.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)