Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

‘A harmonia reina entre nós’, diz Bolsonaro após encontro com Toffoli

Reunião, organizada pelo presidente, ocorre depois de ataques ao Supremo em convocações para atos de bolsonaristas no dia 26

O presidente Jair Bolsonaro se reuniu na noite desta terça-feira 21, com o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli, no Palácio do Alvorada. Em nota, o Palácio do Planalto informou que o encontro ocorreu a pedido de Bolsonaro, para discutir questões da “conjuntura atual”.

“Sou grato ao Presidente do Supremo quando aceitou, a meu convite, se dirigir ao Alvorada onde discutimos questões da conjuntura atual. A harmonia reina entre nós na busca de soluções dos problemas nacionais, entre eles a Nova Previdência” diz o chefe do Executivo em nota.

O encontro ocorre a cinco dias de manifestações de apoio ao governo marcadas para o próximo domingo, 26. Um dos alvos dos atos convocados pelas redes sociais de bolsonaristas é o próprio Supremo, além do Congresso.

Mensagem compartilhada na semana passada por Bolsonaro em grupos de WhatsApp deu incentivo às mobilizações em defesa do presidente e contra os demais Poderes. O texto dizia que o presidente é alvo de “conchavos” e pressões de todos as partes, de todos os Poderes, que tornam o país “ingovernável”.

A mensagem compartilhada pelo presidente fazia menção direta ao Supremo ao afirmar que “as lagostas do STF e os espumantes com quatro prêmios internacionais são só a face gourmet do nosso absolutismo orçamentário”, referindo-se ao edital do STF que prevê comprar refeições com a iguaria.

O porta-voz da Presidência da República, Otávio Rêgo Barros, afirmou na noite desta terça-feira que Bolsonaro não endossa esse tipo de pauta defendido nas redes sociais.

“O governo é democrático e entende a cooperação dos três Poderes para a elevação do nosso País”, afirmou Rêgo Barros, dizendo também que não há participação do governo nos atos, e que eles não devem ser “contra grupos ou instituições”. “Presidente gostaria de declarar que as manifestações têm sempre caráter livre e espontâneo, especialmente essa que estamos tratando, que deve ser pacífica, não sendo contra grupos ou instituições”, disse.

Apesar de afirmar que acredita ser fundamental a participação da sociedade em decisões políticas, o chefe do Executivo avalia que não é adequado mesclar a sua posição com os atos programados, comunicou Rêgo Barros, confirmando a não participação de Bolsonaro nas manifestações. “Deixar claro o entendimento da importância, mas não quer colocar-se diretamente nesse contexto” disse o porta-voz.

(Com Estadão Conteúdo)