Clique e assine a partir de 8,90/mês

Quem manda nas polícias militares?

Thomas Traumann analisa os protestos ocorridos neste domingo, 31, em São Paulo

Por Thomas Traumann - Atualizado em 1 jun 2020, 17h29 - Publicado em 1 jun 2020, 17h11

Os protestos deste domingo, 31, mostraram que existem dois tipos de manifestantes para a Polícia Militar. Os primeiros são formados por pessoas que confundem camisa da seleção brasileira com patriotismo, que espalham vírus de doença e querem acabar com a democracia. Para essa turma, a PM só falta entregar flores. Os outros tinham camisas de clubes de futebol e gritavam a favor da democracia e contra o racismo. Nesses, a PM baixou o sarrafo.

Foi uma escolha. O problema é que a PM não está aí para fazer escolha. Ela está para servir e proteger o cidadão, independente da sua posição política. E o que assistimos neste domingo foi o uso seletivo da força. E fica claro que o bolsonarismo está aparelhando a Polícia Militar. E é um grande risco. A Polícia Militar não pode ter partido.

Entenda nesta edição do podcast Traumann Traduz

Publicidade