Clique e assine a partir de 8,90/mês

A reinvenção de Sergio Moro

Thomas Traumann analisa os atos do ex-ministro da Justiça após a sua saída do cargo

Por Thomas Traumann - Atualizado em 25 Maio 2020, 16h31 - Publicado em 25 Maio 2020, 16h17

O ex-juiz e ex-ministro Sergio Moro é um animal diferente na política. Ele nunca disputou uma eleição e entrou no cenário político pelo judiciário, que raramente entra de corpo e alma nas manobras eleitorais.

Moro entrou. A Operação Lava Jato e seus desdobramentos foram fundamentais para o impeachment de Dilma Rousseff, para o inquérito que quase derrubou Michel Temer, para a prisão de Luiz Inácio Lula da Silva e para o clima político que elegeu Jair Bolsonaro. Agora, sem cargo, Moro voltou para a estaca zero. E disse que vai se reinventar. Mas não vai ser fácil.

Ao sair do ministério e acusar Jair Bolsonaro de ingerência na Polícia Federal para proteger seus filhos, o ex-juiz abriu um front inédito na investigação contra o presidente. E aqui entra a diferença do animal político tradicional e o animal político Sergio Moro. Os políticos imaginavam que Moro teria uma prova definitiva contra Bolsonaro, mas não é bem assim que o ex-juiz trabalha.

Entenda nesta edição do podcast Traumann Traduz

Publicidade