Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Trump enfrenta protestos em visita a El Paso e Dayton

Moradores das cidades onde ocorreram dois massacres, com um total 32 mortos, repudiam a presença do presidente americano

Por Da Redação
Atualizado em 7 ago 2019, 15h59 - Publicado em 7 ago 2019, 15h19

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, visita nesta quarta-feira, 7, as cidades de DaytonEl Paso, que foram palco de massacres no último fim de semana. Apesar de tentar unir o país contra o racismo e a supremacia branca, as causas da maioria dos atentados no país, Trump tem sido acusado de ser parte do problema. Isso motivou os moradores das duas cidades a prepararem protestos contra sua visita.

Trump chegou pela manhã em Dayton, no estado de Ohio, e foi direto para o hospital local conversar com as vítimas que seguem internadas e com as autoridades que foram as primeiras a chegar ao local do tiroteio. Nove pessoas morreram quando o atirador, Connor Betts, abriu fogo no centro do município.

Nas ruas da cidade, manifestantes preparam placas com pedidos para o presidente “parar com este terror”. O balão Baby Trump, inflado como símbolo da contrariedade com a presença do líder americano, trazia a faixa: “Pare de ser um bebê! Confronte a NRA (Associação Nacional do Rifle)”.

Nesta tarde, Trump também visitará El Paso, no estado do Texas, onde o atirador Patrick Crusius, de 21 anos, matou 22 pessoas após ter deixado um manifesto na internet onde denunciava uma “invasão hispânica” nos Estados Unidos. No Texas, um estado tradicionalmente republicano, o presidente sofre maior resistência. Os manifestantes pedem que Trump não vá à cidade.

“Eu culpo o presidente. Desde o momento em que sua retórica e o ódio que tem com as pessoas de cor de pele diferente chegaram à Presidência. Não tem direito”, disse Silvia Ríos, moradora de El Paso.

Continua após a publicidade

Desde que Trump lançou sua campanha à Presidência, em 2015, em muitos de seus discursos chamou os imigrantes mexicanos de “estupradores” que levam “drogas” e “crime”  para os Estados Unidos. Em 2018, denunciou as caravanas procedentes da América Central como uma “invasão”. Um dos principais projetos de seu governo é levantar o muro em toda a extensão da fronteira do país com o México.

Na segunda-feira, o chanceler mexicano, Marcelo Ebrard, classificou a matança de El Paso como “um ato de terrorismo contra os mexicanos”. O governo do México deverá solicitar a extradição de Crusius para seu julgamento pela justiça mexicana. Nos Estados Unidos, o atirador estará sujeito à pena capital.

Ontem, em pronunciamento pela televisão, Trump disse condenar o racismo e a ideologia dos supremacistas brancos, mas insistiu em que as doenças mentais são a principal causa das mortes por armas de fogos nos Estados Unidos. Até o momento, ele não responsabilizou o acesso fácil às armas nos Estados Unidos pelos recorrentes massacres nem se distanciou do lobby da NRA.

Continua após a publicidade

Nesta terça-feira, Trump parecia irritado com as críticas veladas de seu antecessor Barack Obama, segundo o qual a retórica divisiva dos líderes americanos é parte do problema.

Os investigadores continuavam tentando descobrir a motivação do autor do tiroteio em Dayton.  A prefeita da cidade, Nan Whaley, disse estar decepcionada com o discurso de Trump de segunda-feira. “Não sei se ele sabe no que acredita”, lamentou.

(Com AFP)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.