Clique e assine a partir de 9,90/mês

Trump diz que a ‘incompetência’ da China provocou ‘um massacre mundial’

Presidente americano critica Pequim quase que diariamente; republicano já ameaçou cortar financiamento à OMS por suposto apoio ao governo chinês

Por Da Redação - Atualizado em 20 Maio 2020, 13h03 - Publicado em 20 Maio 2020, 12h57

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, reiterou seus ataques à gestão chinesa da crise do coronavírus e disse que a “incompetência” do país asiático foi o que causou um “massacre global”. O americano está cada vez mais indignado com os efeitos da Covid-19 na economia do seu país e critica diariamente a China, onde o vírus apareceu pela primeira vez no final do ano passado.

Trump se referiu em um tuíte na manhã desta quarta-feira, 20, ao comunicado de “um louco” publicado na China, que afirma que outros atores são supostamente culpados pelo avanço do vírus. O presidente exigiu que expliquem a esse “tolo” que foi a “incompetência da China e não outra coisa que causou esse massacre mundial”.

ASSINE VEJA

Covid-19: Amarga realidade As cenas de terror nos hospitais públicos brasileiros e as saídas possíveis para mitigar a crise. Leia nesta edição.
Clique e Assine

No início da crise, Trump minimizou os riscos e disse em várias ocasiões que a China estava assumindo o controle da epidemia. Porém, à medida que o vírus avançava, ele mudou seu discurso e começou a criticar diariamente Pequim.

Em um ano eleitoral em que o aumento do desemprego ameaça suas chances de reeleição em novembro, Trump reitera há semanas que o duro balanço do vírus, que deixou mais de 320.000 mortos no mundo, poderia ter sido evitado se a China tivesse agido de uma maneira diferente desde que foi detectado na cidade de Wuhan.

Em seus discursos, Trump também ameaçou a Organização Mundial de Saúde (OMS) de cortar suas contribuições, acusando a instituição de ajudar a China a esconder o alcance da epidemia.

Os Estados Unidos são o país com mais mortes nesta pandemia, com cerca de 92.066 óbitos. Tem ainda 1,5 milhão de casos confirmados.

(Com AFP)

Continua após a publicidade
Publicidade