Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

“Todas as opções estão na mesa”, diz Trump sobre Coreia do Norte

Armamento disparado por Pyongyang sobrevoou território japonês nesta segunda-feira e depois caiu no Oceano Pacífico

Os Estados Unidos advertiram nesta terça-feira (29), depois que a Coreia do Norte lançou um míssil que sobrevoou o território do Japão, que todas as opções estão sobre a mesa.

“As ações ameaçadoras e desestabilizadoras apenas aumentam o isolamento do regime da Coreia do Norte na região e entre todas as nações do mundo”, afirmou a Casa Branca em um comunicado. “Todas as opções estão sobre a mesa”, disse a nota oficial.

Esse é o primeiro projétil norte-coreano a sobrevoar o território japonês desde 2009. Em julho, Pyongyang testou dois mísseis intercontinentais disparados em diferentes direções.

O Conselho de Segurança da ONU se reunirá em caráter de urgência a pedido de Washington e Tóquio. Para o primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, trata-se ameaça grave e sem precedentes.

 (//VEJA)

O embaixador norte-coreano na ONU, Han Tae-song, alegou o direito à autodefesa diante das intenções hostis dos Estados Unidos, que participa de manobras militares conjuntas com a Coreia do Sul.

O míssil provocou alarme no arquipélago japonês. As sirenes de alerta tocaram no Norte, e milhões de cidadãos receberam uma mensagem do governo via telefones celulares.

O tráfego ferroviário foi temporariamente suspenso. “Há perturbações em todas as linhas. Motivo: disparo de míssil balístico”, podia-se ler nas telas do metrô de Sapporo, a principal cidade da ilha de Hokkaido, no norte do arquipélago japonês.

Em 2009, um foguete norte-coreano sobrevoou o território japonês, sem provocar incidentes, mas gerou um protesto imediato do governo nipônico.

Na ocasião, Pyongyang afirmou que era um satélite de telecomunicações, mas, segundo Washington, Seul e Tóquio, era um teste para desenvolver mísseis intercontinentais (ICBM).

O míssil desta terça-feira foi lançado de Sunan, nas proximidades de Pyongyang, às 5h57 locais (17h57 de Brasília, segunda-feira), e sobrevoou o Japão, explicou o Estado-Maior sul-coreano.

O projétil percorreu 2.700 quilômetros e alcançou uma altitude máxima de 550 km antes de cair no Pacífico. Foi disparado no sentido leste, e não em direção à ilha de Guam, uma importante base americana a 3.500 km da Coreia do Norte.

Aumentar a pressão

Após o disparo, Shinzo Abe reiterou que o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, envolvido em uma disputa retórica com Pyongyang sobre o programa armamentista, afirmou que Washington estará ao lado de Tóquio.

Depois de uma conversa de quarenta minutos por telefone, os dois governantes concordaram em “aumentar a pressão sobre a Coreia do Norte”, disse o premier japonês.

Abe já havia advertido que seu governo adotará todas as medidas necessárias para garantir a segurança do povo japonês.

Principal aliado e sócio comercial da Coreia do Norte, a China pediu prudência a todas as partes. Apesar de a situação ter atingido um ponto de inflexão, as pressões e sanções contra o regime comunista de Pyongyang não podem resolver o problema, afirmou o porta-voz do Ministério chinês das Relações Exteriores, Hua Chunying.

O lançamento ocorre alguns dias depois de Pyongyang testar três mísseis de curto alcance, que foram considerados uma provocação ante o exercício conjunto anual realizado pelos Estados Unidos e pela Coreia do Sul.

Os dois aliados apresentam as operações como defensivas, mas para Pyongyang representam um teste para a invasão de seu território.

Veja também

Escalada

O lançamento desta terça-feira representa uma escalada significativa da parte de Pyongyang. No começo do mês, os norte-coreanos haviam ameaçado disparar mísseis na direção da ilha de Guam.

Um ataque desse tipo teria de passar, necessariamente, sobre o arquipélago japonês.

O líder norte-coreano, Kim Jong-un, acabou se distanciando do suposto plano para atingir o território de Guam e disse que poderia esperar. Ele advertiu que, para isso, era “necessário que os Estados Unidos fizessem a opção certa”.

“Parecia que a Coreia do Norte havia recuado no jogo do mais forte”, disse Cha Du-hyeogn, do Instituto Asan de Estudos Políticos em Seul. “Mas Pyongyang demonstra que não desinflou”, completou.

O regime norte-coreano realizou dois testes de mísseis balísticos intercontinentais em julho, que parecem ter colocado ao seu alcance boa parte do território de Estados Unidos. A esse movimento, o presidente Donald Trump reagiu, alertando para o fato de que Washington poderia responder com “fogo e fúria”.

Pyongyang avançou rapidamente em sua tecnologia militar, com um programa que rendeu ao país o endurecimento das sanções impostas pela ONU.

Em 5 de agosto passado, o Conselho de Segurança aprovou por unanimidade um novo pacote de sanções contra a Coreia do Norte pelo teste de um míssil com capacidade para atingir o território americano.

As penalidades econômicas têm o objetivo de punir as exportações norte-coreanas de carvão, ferro e do setor de pesca, o que deve privar o país de quase 1 bilhão de dólares por ano em arrecadação.

(Com AFP)

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. JOSE CARLOS PEREZ

    A melhor tática nesse momento é a realização de vários exercícios de guerra e objetivamente destruir no ar mísseis norte-coreanos. Enquanto não houver uma demonstração de capacidade anti-mísseis, o gordinho irá cada vez mais botar as manguinhas de fora. Paciência é bom, mas tem seus limites. Acredito que o gordinho não tem senso nenhum. É uma criança mimada que acha que pode tudo; nada que umas boas palmadas não resolva.

    Curtir

  2. Roberto Junior

    A Coreia do Norte parece que quis testar, se os EUA ou o Japão destruiriam o míssil lançado ou não, talvez não o destruíram, por temer que a Coreia do Norte estaria cavocando um motivo “forte”, para então enviar um missei carregado e com alvo certo. Por um outro lado a China e a Russia, depois dessa invasão do espaço aéreo japonês, teriam que aderir de forma enérgica junto com o resto do mundo, sanções econômicas severas, para forçar a Coreia do Norte a um acordo de desarmamento nuclear, mas, o melhor mesmo seria capturar Pyongyang e encerrar de vez com essa bestice doentia.

    Curtir