Clique e assine com 88% de desconto

EUA: míssil lançado pela Coreia do Norte era de médio alcance

O lançamento de segunda-feira não ameaçou o território americano nem a ilha de Guam

Por Da redação - Atualizado em 29 ago 2017, 19h26 - Publicado em 29 ago 2017, 19h17

O projétil que a Coreia do Norte disparou na segunda-feira sobre o Japão era um míssil balístico de médio alcance que não ameaçou o território dos Estados Unidos, garantiu o Pentágono nesta terça-feira em um comunicado.

“A avaliação inicial indica o lançamento de um míssil balístico de categoria intermediária (IRBM). (…) O Comando de Defesa Aeroespacial da América do Norte (NORAD) determinou que este lançamento de mísseis balísticos não representava uma ameaça para os Estados Unidos”, acrescentou a nota, que detalhou ainda que o míssil tampouco pôs em perigo à ilha de Guam.

Esse foi o 13º lançamento de um míssil balístico por parte de Pyongyang neste ano, disparado das proximidades da capital norte-coreana, e o primeiro desde 2009 que sobrevoou Japão. O projétil percorreu uma distância superior a 2.700 quilômetros e caiu no mar a cerca de 1.180 quilômetros do Cabo de Erimo, no extremo do nordeste do arquipélago japonês.

A embaixadora americana na ONU, Nikki Haley, classificou hoje como “inaceitável” o novo teste balístico da Coreia do Norte. “Acredito que algo sério tem que acontecer. Já é suficiente”, disse Haley aos repórteres pouco antes de participar de uma reunião programada do Conselho de Segurança sobre as missões de paz da ONU.

Publicidade

As taxativas declarações de Haley se unem à firme reação do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, que não descartou hoje nenhum tipo de resposta a Pyongyang e afirmou que “todas as opções estão sobre a mesa”.

“O mundo recebeu alta e clara a recente mensagem da Coreia do Norte: este regime mostrou seu desprezo pelos seus vizinhos, por todos os membros das Nações Unidas e por normas mínimas de comportamento internacional aceitável”, lamentou Trump em um comunicado.

Ontem à noite, Coreia do Sul, Estados Unidos e Japão pediram a realização de uma reunião de urgência do Conselho de Segurança da ONU, que está prevista para a tarde de hoje.

(Com EFE)

Publicidade