Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Suposta sala de tortura é descoberta na cidade de Kherson

Segundo testemunhas, até 180 pessoas eram mantidas prisioneiras em um centro de detenção juvenil na cidade

Por Da Redação
16 nov 2022, 17h17

Investigadores da Ucrânia anunciaram nesta quarta-feira, 16, que descobriram uma suposta sala de tortura na cidade de Kherson, onde dezenas de homens teriam sido detidos, eletrocutados, espancados e até mesmo mortos.

De acordo com a polícia, o Exército russo assumiu o controle de um centro de detenção juvenil em meados de março e o transformou em uma prisão para aqueles que se recusavam a colaborar, ou que foram acusados de atividades em benefício aos ucranianos. 

+ Após míssil cair na Polônia, Rússia diz que Ocidente busca guerra mundial

De acordo com depoimentos obtidos de três vizinhos do local e dois comerciantes, era possível ouvir gritos vindos do local cerca de seis semanas depois dos soldados russos tomarem controle do prédio. As testemunhas disseram ainda que viram pessoas sendo levadas com sacos na cabeça e alguns corpos sendo removidos. 

Continua após a publicidade

“Eles saíam espancados e completamente desorientados. Eles vinham aqui e pediam informações e nós dávamos dinheiro para o ônibus”, disse a dona de um quiosque fora do centro de detenção ao jornal britânico The Guardian

Segundo os relatos, os homens responsáveis pelo prédio revelavam seus rostos, pois estavam sempre vestindo balaclavas e roupas pretas da cabeça aos pés. 

Outra testemunha disse que um homem foi levado para o centro de detenção e foi espancado por quatro dias consecutivos, devido ao envolvimento de seu filho com o Exército ucraniano. 

Continua após a publicidade

Uma técnica de informática, chamada Zhenia Dremo, disse que recebeu um golpe na testa por ter se recusado a dar um cigarro para os soldados russos e depois foi levada para o prédio. Apesar de ter sofrido poucas agressões, ela disse que seus companheiros de cela foram torturados de várias formas. 

+ Rússia rejeita pedido da ONU por indenização à Ucrânia

Os relatos afirmam que cerca de 180 pessoas eram mantidas presas simultaneamente no centro de detenção e que havia duas celas exclusivas para mulheres. 

Continua após a publicidade

“Tínhamos uma amiga, Anna, que estava lá. Ela não foi estuprada, mas eles rasparam a cabeça dela”, disse Dremo. 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.