Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês

Ucrânia: Reunião entre ministros termina sem progresso para cessar-fogo

Fizeram parte do encontro nesta quinta-feira, 10, os chanceleres ucraniano, Dmytro Kuleba, e russo, Sergei Lavrov

Por Caio Saad Atualizado em 10 mar 2022, 08h05 - Publicado em 10 mar 2022, 04h00

Rússia e Ucrânia se reuniram nesta quinta-feira, 10, na Turquia, para discutir o conflito entre os dois países e tentar chegar a um acordo de cessar-fogo, mas sem sucesso. Fizeram parte do encontro os ministros das Relações Exteriores da Ucrânia, Dmytro Kuleba, e da Rússia, Sergei Lavrov. A reunião aconteceu na província de Antália, no sul da Turquia. O presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, esperava que a reunião entre Lavrov e Kuleba abrisse a “porta para um cessar-fogo permanente”.

Após a reunião, o ministro ucraniano afirmou que não houve progresso para se chegar a um cessar-fogo durante o encontro com o russo. Kuleba disse que a Ucrânia não vai se render e que a lista de demandas de Lavrov é, na verdade, uma exigência de rendição. O chanceler da Ucrânia ressaltou ainda que não foi fácil ouvir o russo, que, segundo ele, seguiu com a retórica tradicional durante o encontro. Apesar disso, Kuleba pontuou que está pronto para outros encontros no mesmo formato.

As exigências russas foram explicitadas na segunda-feira, quando o porta-voz Dmitry Peskov listou as condições para que a Rússia interrompa suas operações militares na Ucrânia. Em entrevista à agência Reuters, Peskov disse que o Kremlin exige que Kiev encerre sua ação militar, mude sua Constituição para a neutralidade, de modo que o país garanta que jamais irá fazer parte da Otan ou da União Europeia, e reconheça a independência das regiões de Donetsk e Luhansk, além de enxergar a Crimeia como um território russo.

Moscou chama sua incursão de “operação militar especial” para desarmar a Ucrânia e desalojar líderes que chama de “neonazistas”. Kiev e seus aliados ocidentais dizem que se trata de um pretexto para uma guerra não provocada contra um país democrático de 44 milhões de pessoas.

Após o encontro desta quinta-feira, Lavrov acusou o Ocidente de se comportar de forma perigosa por fornecer armas para a Ucrânia.

“Aqueles que entregam armas aos ucranianos e mercenários precisam entender o perigo”, disse. Segundo o russo, o governo ucraniano planejou um ataque às regiões separatistas de Donetsk e Luhansk, apoiadas pelo governo Putin.

O chanceler da Rússia disse ainda que o hospital em Mariupol, bombardeado na quarta-feira, ‘está sob controle de radicais ucranianos’ e que não havia pacientes lá, o que contraria imagens divulgadas pela Ucrânia.

Em um vídeo transmitido em seu canal no Telegram, o presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, disse ainda que as tropas russas “passaram dos limites” ao atacar a maternidade em Mariupol. Ao menos 17 pessoas teriam se ferido na tragédia, que o chefe de Estado classificou como uma “atrocidade”.

Continua após a publicidade

A REUNIÃO

“Direi francamente que minhas expectativas em relação às negociações são baixas”, disse Kuleba em um comunicado em vídeo na quarta-feira. “Estamos interessados ​​em um cessar-fogo, liberando nossos territórios, e o terceiro ponto é resolver todas as questões humanitárias.”

A Turquia, que é membro da Otan, se ofereceu para mediar o encontro após semanas de tentativas frustradas. As delegações dos dois países realizaram três rodadas de negociações anteriormente, duas na Belarus e uma na Ucrânia.

Na segunda-feira, 7, representantes russos e ucranianos se encontraram para a terceira rodada de negociações. Após dois encontros na semana passada que renderam entendimentos escassos para proteção de civis, a terceira rodada de conversas terminou com “pequenos desenvolvimentos positivos”, segundo um representante ucraniano. Apesar do tom mais positivo, a implementação de corredores humanitários, que têm objetivo de facilitar a retirada de civis e a entrada de itens básicos como remédios, tem se mostrado difícil em cidades afetadas pela guerra.

Tentativas de retirada de civis fracassaram durante o fim de semana e foram interrompidas na segunda e terça-feira por acusações de violações ao cessar-fogo.

A Rússia acusa nacionalistas ucranianos de impedir a saída de civis de regiões combinadas, usando a população como ‘escudo humano’. “Devido à falta de vontade do lado ucraniano de influenciar os nacionalistas ou de estender o cessar-fogo, as operações ofensivas foram retomadas”, disse o major-general Igor Konashenkov, na segunda-feira. 

As autoridades da cidade de Mariupol, por sua vez, disseram que a retirada de civis foi adiada porque militares russos não estariam respeitando a trégua. As prefeituras de Mariupol e Volnovakha disseram que as cidades são alvos de bloqueios e ataques russos, impedindo a saída segura dos civis. Mesmo após o acordo, a Ucrânia vinha alegando desrespeito dos russos ao acordo com as regiões sendo alvos de constantes ataques. As duas cidades foram as únicas autorizadas a funcionar como um corredor de fuga para os civis.

A Organização das Nações Unidas elevou na quarta-feira o número de mortes na Ucrânia para 516 civis, incluindo 37 crianças. Os números reais desde o início da invasão russa, em 24 de fevereiro, no entanto, podem ser “consideravelmente maiores”, já que relatórios de autoridades locais costumam ser enviados com certo atraso. A maioria das mortes, segundo a organização, foi causada por armas explosivas, incluindo bombardeios, mísseis e ataques aéreos.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)