Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês

Rússia lista condições para encerrar a guerra com a Ucrânia

Governo russo pede o reconhecimento das regiões separatistas, neutralidade na Constituição e desmilitarização do país

Por Matheus Deccache Atualizado em 7 mar 2022, 16h15 - Publicado em 7 mar 2022, 15h38

O porta-voz do governo russo, Dmitry Peskov, disse nesta segunda-feira, 7, que a Rússia está pronta para interromper as operações militares na Ucrânia a partir do momento que o país cumprir uma lista de condições. 

Em entrevista à agência Reuters, Peskov disse que o Kremlin exige que Kiev encerre sua ação militar, mude sua Constituição para a neutralidade, de modo que o país garanta que jamais irá fazer parte da Otan ou da União Europeia, e reconheça a independência das regiões de Donetsk e Luhansk, além de enxergar a Crimeia como um território russo. 

Essa foi a declaração mais explícita por parte da Rússia de que está disposta a encerrar a “operação militar especial” no território ucraniano, que já dura doze dias. Por telefone, o porta-voz disse que o governo da Ucrânia está ciente de todas as exigências desde o último encontro entre as delegações, em Belarus, e que “tudo pode ser interrompido em um momento”.

+ Começa nova rodada de negociações entre Moscou e Kiev

A Rússia invadiu o país vizinho em 24 de fevereiro e usou da justificativa de que a população pró-Moscou em Donbass estava sofrendo um genocídio, causando a maior crise de refugiados desde a II Guerra Mundial. 

Próximo de completar duas semanas de confrontos, as Nações Unidas estimam que cerca de 400 civis já foram mortos, enquanto o governo ucraniano diz que esse número supera os 2.000. Em resposta, o Kremlin nega veementemente que tenha atacado alvos não militares. 

Peskov insistiu também que a Rússia não tem o objetivo de reivindicar outros territórios da Ucrânia e desmentiu rumores de que o país esteja demandando uma rendição de Kiev. 

Continua após a publicidade

“Nós realmente estamos terminando a desmilitarização da Ucrânia. Nós vamos terminar isso. Mas o principal é que a Ucrânia cesse sua ação militar. Eles deveriam parar sua ação militar e então ninguém atirará”, disse ele.

O porta-voz disse ainda que o Kremlin não está tomando Donetsk e Luhansk da Ucrânia, uma vez que a população dessas regiões pedem por independência, completando que eles “não devem ser destruídos por conta disso”. 

“Para o resto, a Ucrânia é um estado independente e deve viver da maneira que quiser, mas sob condições de neutralidade”, disse. 

+ Rússia boicota audiência em tribunal da ONU sobre ‘genocídio’ ucraniano

Para o governo russo, o país foi forçado a tomar medidas decisivas para desmilitarizar seu vizinho, uma vez que 100.000 soldados ucranianos, armados pelos Estados Unidos e Reino Unido, ameaçavam a vida de três milhões de russos nas regiões separatistas. Em resposta, Kiev negou repetidas vezes que estava preparando uma ofensiva para tomá-las à força. 

Por fim, Peskov disse que era necessário tomar uma providência para impedir a expansão da Otan em direção ao leste europeu, sendo apenas uma questão de tempo até que a Aliança instalasse mísseis em território ucraniano, assim como fez com Romênia e Polônia.

“Chegamos a um entendimento de que não podemos mais tolerar isso. Estava na hora de agir”, disse.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)