Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês

Putin ordena início de imunização em massa na Rússia na semana que vem

Medida acontece após país registrar 589 novas mortes em 24h causadas pelo novo coronavírus

Por Da Redação Atualizado em 2 dez 2020, 12h40 - Publicado em 2 dez 2020, 12h17

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, ordenou nesta quarta-feira, 2, que autoridades russas deem início a uma operação em massa de vacinação voluntária contra a Covid-19 já na próxima semana, após o país registrar 589 novas mortes em 24h causadas pelo novo coronavírus.

“Vamos concordar nisso – você não irá responder a mim na próxima semana, você irá começar vacinação em massa (…) vamos ao trabalho”, disse Putin à vice-primeira-ministra Tatiana Golikova, segundo a agência de notícias Reuters.

Segundo o presidente, o país já terá produzido 2 milhões de doses da vacina dentro dos próximos dias. Na semana passada, moscou anunciou que  sua vacina Sputnik V, desenvolvida pelo Centro de Pesquisas Gamaleya de Moscou, tem eficácia “acima de 95%” 21 dias após a aplicação da segunda dose.

Ao todo, o país soma mais de 2,3 milhões de casos, incluindo 41.053 mortes. A Rússia é o quarto país com mais infecções registradas, atrás de Estados Unidos, Índia e Brasil.

A fala de Putin acontece no mesmo dia em que o Reino Unido anunciou a aprovação de uma vacina produzida pela americana Pfizer e a alemã BioNTech. O ministro da saúde britânico, Matt Hancock, prometeu começar a aplicação do imunizante na próxima semana. O governo britânico ainda irá decidir quais grupos terão prioridade no acesso ao imunizante, incluindo idosos e profissionais de saúde.

“O governo aceitou hoje a recomendação da agência reguladora independente sobre medicamentos e produtos de saúde para aprovar a vacina contra a Covid-19 da Pfizer-BioNTech”, disseram as autoridades do país. Para Hancock, a notícia é “fantástica”. “No início da próxima semana, começaremos um programa de vacinação de pessoas contra Covid-19 aqui neste país”, disse ele à Sky News.

Continua após a publicidade

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, comemorou a “fantástica” notícia. “É a proteção das vacinas que finalmente nos devolverá nossas vidas e fará a economia se mover de novo”, escreveu no Twitter, no mesmo dia em que a Inglaterra sai de um segundo confinamento de quatro semanas.

Sputnik V

Até agora, 40.000 voluntários estão participando do estudo de fase 3 da Sputnik, duplo-cego, randomizado e controlado por placebo na Rússia. Mais de 22.000 voluntários já receberam a primeira dose e mais de 19.000 receberam a segunda, segundo um comunicado publicado na semana passada.

Estes são resultados preliminares obtidos com voluntários 42 dias após a aplicação da primeira dose e 21 dias após a segunda, indicam em um comunicado conjunto o centro Gamaleya, o ministério russo da Saúde e o Fundo Soberano russo envolvido no desenvolvimento da vacina. Os dados ainda são preliminares e não foram divulgados em revista científica.

“O preço de uma dose da Sputnik V no mercado internacional será inferior a 10 dólares”, anunciou em um comunicado separado o Fundo Soberano russo, enquanto para os cidadãos russos a vacina será gratuita.

Os cidadãos russos são “prioridade absoluta”, de acordo com o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov. “A produção dentro da Rússia, que já está em desenvolvimento, irá atender as necessidades dos russos”.

Elogiada pelo presidente Vladimir Putin, a Rússia pouco explicou a documentação científica para a vacina, mas seus criadores reiteraram nesta terça-feira que os dados da pesquisa serão publicados em breve “em uma das principais revistas médicas do mundo e revisados por seus pares”.

Continua após a publicidade

Publicidade