Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês

Parlamento russo aprova primeiras medidas de economia de guerra

Os projetos ainda precisam de aprovação da câmara alta e da assinatura do presidente Vladimir Putin para entrarem em vigor

Por Matheus Deccache Atualizado em 5 jul 2022, 15h21 - Publicado em 5 jul 2022, 15h16

O parlamento da Rússia aprovou nesta terça-feira, 5, as primeiras medidas econômicas para auxiliar nos esforços da guerra na Ucrânia, dando ao governo o poder de obrigar empresas a fornecer mercadorias e materiais aos militares, além da permissão para que funcionários realizem horas extras.

As novas medidas colocarão o país em uma base economia de guerra depois de mais de quatro meses de conflito, descrito pelo Kremlin como uma “operação militar especial”.

+ Autoridade ucraniana pede que civis fujam de cidade bombardeada

“A carga da indústria de defesa aumentou significativamente. Para garantir o fornecimento de armas e munições, é necessário otimizar o trabalho do complexo industrial militar e das empresas que fazem parte das cadeias de cooperação”, disse o vice-primeiro-ministro, Yuri Borisov, em discurso no parlamento.

A Rússia começou sua invasão à Ucrânia em 24 de fevereiro e esperava uma vitória rápida, mas foi surpreendida pela capacidade de defesa dos ucranianos, que impediram a tomada da capital Kiev. Desse modo, o Exército russo sofreu grandes perdas de homens e equipamentos, decidindo direcionar sua ofensiva para o leste do país, onde estão localizadas as regiões separatistas de Donetsk e Luhansk – esta última sendo dominada no último domingo, 3.

+Após vitória russa em Luhansk, Ucrânia vai proteger Donetsk a todo custo

Em resposta, o Ocidente, encabeçado pela Otan, respondeu com sucessivas ondas de sanções e aumentou o fornecimento de armamento para a Ucrânia, além da realocação de tropas para várias regiões da Europa Oriental, em um movimento definido pelo Kremlin como uma “guerra por procuração”. 

Continua após a publicidade

“Neste momento, quando os países do Ocidente estão aumentando sua presença militar na fronteira com a Rússia, intensificando a pressão das sanções, aumentando o fornecimento de armas para a Ucrânia, a importância de aprovar as leis não pode ser superestimada”, disse Borisov na sessão. 

O primeiro projeto, que prevê que o Estado poderia impor “medidas econômicas especiais” durante as operações militares obrigado que as empresas fornecessem bens ao Exército, foi aprovado por unanimidade pela Duma, a câmara baixa do parlamento equivalente a Câmara dos Deputados.

+ Turquia apreende navio russo que transportava grãos ucranianos ‘roubados’

A segunda proposta diz respeito às horas extras dos funcionários, que dá poderes para as empresas exigirem cargas horárias adicionais à noite, nos finais de semana e feriados e sem férias anuais. No entanto, Borisov anunciou que a exigência não será usada em grande escala e os empregados selecionados receberão um pagamento extra. 

Após aprovação da câmara baixa, ambos os projetos ainda precisarão passar por uma segunda e terceira leitura, que acontecerá de portas fechadas na próxima quarta-feira. Após isso, eles serão revistos pela câmara alta, equivalente ao Senado da Rússia, e enviados para o presidente Vladimir Putin, para então se tornarem lei após sua assinatura.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)