Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês

Após vitória russa em Luhansk, Ucrânia vai proteger Donetsk a todo custo

Luhansk e Donetsk formam a região industrial do Donbas, foco da guerra russa e onde separatistas pró-Moscou lutam contra Ucrânia desde 2014

Por Da Redação 4 jul 2022, 08h55

O governador da região de Luhansk, Serhiy Gaidai, disse nesta segunda-feira, 4, que o exército ucraniano pretende tomar toda a região de Donetsk, depois que a Rússia forçou sua retirada da última cidade sob seu controle na região vizinha de Luhansk.

Depois de um ataque malsucedido no começo da guerra a Kiev, a capital ucraniana, Moscou mudou o foco da guerra para a região industrial de Donbas, formada por Luhansk e Donetsk. Lá, separatistas pró-Rússia lutam contra a Ucrânia desde 2014.

O exército do presidente Vladimir Putin disse neste fim de semana que estabeleceu controle total sobre a região de Luhansk, após a saída das forças ucranianas da cidade de Lysychansk. Em entrevista à agência de notícias Reuters, Gaidai afirmou que apesar da perda de território não ser positiva, “não há nada crítico” na situação.

“Precisamos vencer a guerra, não a batalha por Lysychansk”, disse o governador de Luhansk, acrescentando que a retirada do exército da Ucrãnia foi planejada e ordenada, mas que correram o risco de serem cercadas.

Segundo Gaidai, o objetivo principal de Moscou é dominar a região de Donetsk, e ele espera que as cidades de Sloviansk e Bakhmut sejam os seus próximos alvos. Vadym Lyakh, o prefeito de Sloviansk, que fica a oeste de Lysychansk, disse que um bombardeio matou pelo menos seis pessoas, incluindo uma menina de 10 anos, no domingo 3.

A posição oficial do Kremlin é que Luhansk foi “libertada”. Em comunicado oficial, Moscou informou que o território capturado seria entregue à autoproclamada República Popular de Luhansk, cuja independência reconheceu às vésperas da guerra. A Rússia diz que o que chama de “operação militar especial” na Ucrânia visa proteger os falantes de russo dos nacionalistas ucranianos.

A Ucrânia e seus aliados ocidentais dizem que este é um pretexto infundado para o país ganhar mais território. O presidente Volodymyr Zelensky prometeu na noite de domingo recuperar Luhansk com a ajuda de armas ocidentais de longo alcance.

Embora a Rússia tente enquadrar seu avanço em Luhansk como um momento significativo na guerra, isso teve um alto custo para os militares russos, segundo o think tank Royal United Services Institute (RUSI), com sede em Londres. Na avaliação de especialistas, a Ucrânia está tentando desacelerar os ataques de Moscou e causar o máximo de dano, enquanto se prepara para uma contra-ofensiva.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)