Clique e Assine por somente R$ 2,50/semana

Em discurso, rainha Elizabeth prevê Brexit em 31 de outubro

Eleições devem ocorrer se agenda legislativa de Boris Johnson for rejeitada pelos parlamentares

Por Redação Atualizado em 14 out 2019, 19h41 - Publicado em 14 out 2019, 19h28

Ao apresentar a agenda de governo do premiê britânico, Boris Johnson, nesta segunda-feira, 14, a rainha Elizabeth II previu a saída do Reino Unido da União Europeia (Brexit) no dia 31 de outubro, como previsto, e mencionou a execução de um acordo com o bloco que ainda está em difícil debate e distante de ser aprovado pelo Parlamento.

“A prioridade de meu governo sempre foi assegurar a saída do Reino Unido da União Europeia em 31 de outubro”, disse a monarca na Câmara dos Lordes, a câmara alta do Parlamento britânico.

Após o discurso da rainha, os parlamentares britânicos deram início ao debate, que normalmente dura seis dias até a votação. Se for reprovado, o governo usualmente convocaria eleições antecipadas, como afirmou o portal de notícias Euronews. Mas Johnson aparenta não contar com o apoio necessário de dois terços dos membros da Câmara dos Comuns para anunciar um novo pleito.

Britânicos e europeus estão em uma complexa negociação para um acordo de divórcio. Johnson apresentou na semana passada uma contraproposta com a qual busca modificar o ponto de maior conflito: como manter aberta a fronteira entre a província britânica da Irlanda do Norte e a vizinha República da Irlanda — país membro da União Europeia — para não ameaçar o frágil acordo de paz de 1998, que encerrou três décadas conflito violento. O bloco não aprovou a proposta.

Desde o início de setembro, o governo britânico está obrigado a aprovar um novo acordo com o bloco europeu ou pedir a extensão do prazo — o que terá de ser solicitado até o sábado, 19. A União Europeia convocou excepcionalmente o seu Parlamento para uma sessão nesse dia.

  • O chamado Discurso da Rainha é uma cerimônia que reabre a atividade parlamentar, quando a monarca detalha todos os projetos planejados pelo governo para o próximo período legislativo. Desde meados de setembro, o Parlamento estava suspenso por conta de uma medida polêmica adotada por Johnson.

    Os planos do governo incluem um esboço do sistema de imigração pós-Brexit proposto por Johnson, reformas na justiça criminal, mudanças na assistência à saúde e uma promessa de investir mais recursos públicos para estimular o crescimento. Mas o futuro político de Johnson e sua capacidade de efetivar qualquer item da agenda são bastante incertos. Ele governa com minoria e não foi capaz de vencer uma votação sequer no Parlamento desde que assumiu o cargo em julho.

    (Com AFP e Reuters)

    Continua após a publicidade
    Publicidade