Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Papa Francisco insinua que Guerra da Ucrânia foi provocada pelo Ocidente

O pontífice voltou a criticar a invasão da Rússia, mas mencionou pressão da Otan entre fatores que incentivaram o conflito

Por Da Redação
14 jun 2022, 17h05

O papa Francisco fez uma nova série de críticas à Rússia por sua ofensiva na Ucrânia, mas insinuou que a guerra pode ter sido provocada pelo Ocidente.

Em entrevista ao jornal italiano Civilta Cattolica publicada nesta terça-feira, 14, o pontífice condenou as ações das tropas russas como “brutais, cruéis e ferozes”, mas observou a indústria de armamentos entre os fatores que incentivam o conflito.

+ Papa Francisco beija bandeira da Ucrânia e condena ‘massacre em Bucha’

“Não devemos esquecer os problemas reais se queremos que eles sejam resolvidos”, disse Francisco. O sacerdote também revelou que ouviu de uma autoridade, vários meses antes da invasão russa, que a Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) estaria “latindo nos portões da Rússia”, de modo que poderia levar à guerra.

Continua após a publicidade

“Nós não vemos todo o drama se desenrolando por trás dessa guerra, que talvez tenha sido de alguma forma provocada ou não evitada”, observou o Papa.

Quando questionado se essa declaração o tornava favorável às demandas do presidente da Rússia, Vladimir Putin, Francisco negou. “Seria simplista e errado dizer uma coisa dessas”, concluiu.

O pontífice aproveitou para exaltar a coragem dos ucranianos, que, contrariando todas as estimativas de duração do conflito, estão resistindo às ofensivas do inimigo há mais de 110 dias.

Continua após a publicidade

“Eles [os russos] calcularam mal. Encontraram um povo corajoso, que luta para sobreviver e que tem um histórico de luta”, pontuou.

Francisco disse ainda que pretende se encontrar com o líder da Igreja Ortodoxa Russa, o patriarca Cirilo, em um evento no Cazaquistão em setembro. No mês passado, o papa se envolveu numa polêmica ao chamar outro líder da entidade religiosa de Moscou de “coroinha de Vladimir Putin”.

Desde o início da guerra, o sacerdote católico tem se posicionado como um mediador na busca pela paz, tendo inclusive declarado sua intenção de visitar a Ucrânia e proposto um encontro com Putin. 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.