Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Olimpíadas de Paris: prefeita quer banir atletas russos dos jogos de 2024

Anne Hidalgo falou que a participação desses atletas nos Jogos Olímpicos seria "indecente" enquanto a Rússia ainda estiver bombardeando a Ucrânia

Por Da Redação
8 fev 2023, 16h45

Anne Hidalgo, prefeita de Paris, afirmou nesta quarta-feira, 8, que não é a favor da participação de atletas russos Jogos Olímpicos na cidade, em 2024, enquanto a guerra na Ucrânia continuar. O posicionamento representa uma mudança de 180 graus: em janeiro, Hidalgo havia dito que os russos poderiam competir com uma bandeira neutra.

A mudança aconteceu porque a prefeita acredita que a bandeira neutra “não existe realmente, porque às vezes há atletas que são dissidentes”. A bandeira neutra foi criada por causa de casos de doping, disse Hidalgo, e não é o caso. “Eu não sou a favor dessa opção. Eu acharia isso totalmente indecente”, acrescentou.

A prefeita fez referência à invasão russa ao território ucraniano. Para ela, “não é possível desfilar como se nada tivesse acontecido”, se referindo aos atletas russos, enquanto “as bombas continuam a cair na Ucrânia”.

+ Ministro polonês: 40 países querem boicotar as Olímpiadas de Paris

O Comitê Olímpico Internacional (COI) autorizou a participação de atletas russos e bielorrussos nos Jogos Olímpicos sob uma bandeira neutra. A Ucrânia afirmou que, caso isso se concretize, vai boicotar o evento, e uma série de países já anunciou que vai aderir à estratégia.

Em visita ao primeiro-ministro Rishi Sunak em Londres nesta quarta-feira, 8, Volodymyr Zelensky, o presidente ucraniano, reiterou sua oposição a participação dos atletas. Para Zelensky, permitir russos nos jogos é o mesmo que mostrar ao mundo que o terror é aceitável.

O Reino Unido aquiesceu, afirmando que a medida do COI leva em conta um mundo “fora da realidade de guerra”.

Continua após a publicidade

“Nós, e de fato muitos outros países, temos sido claros sobre isso e queremos garantir que continuemos a falar com uma só voz e deixar isso claro para o COI”, disse o porta-voz oficial de Sunak.

+ Com retórica afiada, Zelensky pede jatos militares ao parlamento britânico

Nas redes sociais, a decisão do COI foi repudiada por atletas ucranianos. O campeão mundial de boxe peso-pesado, Oleksandr Usyk, postou um vídeo direcionado a Thomas Bach, presidente do COI, na sua conta do Instagram.

“As Forças Armadas Russas invadiram nosso país e matam civis. O exército russo está matando atletas e treinadores ucranianos e destruindo campos esportivos, bem como pavilhões esportivos”, relatou no vídeo. “As medalhas que os atletas russos vão ganhar são medalhas de sangue, morte e lágrimas.”

Ver essa foto no Instagram

 

Uma publicação compartilhada por Usyk. The Cat. Oleksandr (@usykaa)


A tenista Elina Svitolina, que recentemente visitou a Ucrânia pela primeira vez depois da invasão russa, disse que espera que os ucranianos não precisem boicotar os Jogos Olímpicos, mas “enquanto a guerra ainda está aqui e as pessoas ainda estão morrendo por causa do exército russo, não podemos levar uma vida normal como se nada estivesse acontecendo.”

+ Em visita-surpresa a Londres, Zelensky vai se encontrar com rei Charles

Os comitês olímpicos da Finlândia, Islândia, Noruega, Suécia e Dinamarca se uniram à Letônia, Lituânia, Estônia e Polônia em oposição à decisão da COI. Rússia e Belarus foram banidas em fevereiro de 2022, no início da invasão, e os países opositores afirmam que ainda não é o momento para reverter a decisão.

Atualmente, atletas russos e bielorrussos estão sancionados no futebol, rúgbi, Fórmula 1, ciclismo e natação. Tenistas russos e bielorrussos foram proibidos de jogar em Wimbledon e atletas dos dois países tiveram que competir os Paraolimpíadas de Inverno de 2022 sob uma bandeira neutra.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.