Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Em visita-surpresa a Londres, Zelensky vai se encontrar com rei Charles

Presidente ucraniano fará ainda uma reunião com o premiê britânico, Rishi Sunak, para agradecer pelo apoio na guerra contra a Rússia – e pedir mais armas

Por Da Redação
Atualizado em 8 fev 2023, 12h29 - Publicado em 8 fev 2023, 08h55

O presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, chegou ao Reino Unido nesta quarta-feira, 8, para uma visita-surpresa, e deve encontrar-se mais tarde com o rei Charles III, disse o Palácio de Buckingham.

A audiência entre o rei e o líder ucraniano acontecerá no próprio palácio, durante a tarde.

Esta é a primeira visita de Zelensky ao Reino Unido desde a invasão da Rússia, em fevereiro do ano passado. Além de encontrar-se com Charles, ele vai fazer um discurso ao Parlamento e fazer uma reunião com o primeiro-ministro, Rishi Sunak.

O governo britânico é um dos maiores aliados do governo da Ucrânia no contexto da guerra. O Reino Unido foi a primeira nação ocidental a concordar em enviar armas ofensivas para o campo de batalha – seus avançados tanques de guerra Challenger 2, que foram seguidos pelos Leopards, da Alemanha, e Abrams, dos Estados Unidos. Além disso, foi ainda pioneiro na parceria para treinar soldados ucranianos por suas forças armadas.

+ Guerra na Ucrânia: a hora e a vez dos blindados

O presidente do parlamento da Ucrânia, Ruslan Stefanchuk, compartilhou uma foto de Volodymyr Zelenskiy e Rishi Sunak se encontrando no aeroporto de Stansted, em Londres. “Uma reunião de líderes fortes. Uma reunião de líderes de países fortes. Um encontro de amigos e aliados”, escreveu no Twitter.

Continua após a publicidade

O presidente Zelensky também compartilhou a mesma imagem em sua conta do Telegram, com a legenda: “O Reino Unido foi um dos primeiros a ajudar a Ucrânia. E hoje estou em Londres para agradecer pessoalmente ao povo britânico por seu apoio e ao primeiro-ministro Rishi Sunak por sua liderança.”

+ Boris Johnson: Putin ameaçou atingir Reino Unido com míssil em telefonema

Também nesta quarta-feira, Londres anunciou novas sanções contra militares russos e quem chamou de “elites do Kremlin”, com 15 novas adições que incluem seis entidades que fornecem equipamentos militares, como a CST, fabricante de drones russos que foram usados para destruir veículos de combate ucranianos.

As sanções também visam oito indivíduos e uma entidade ligada a redes financeiras que ajudam a “manter a riqueza e o poder entre as elites do Kremlin”, disse o governo britânico em um comunicado. Entre eles estão Svetlana Krivonogikh, acionista do Banco Rossiya e do National Media Group, que apoia o ataque russo na Ucrânia, e Nikolay Egorov, até recentemente, vice-presidente da maior refinaria de petróleo privada da Rússia.

Na lista, há ainda cinco indivíduos que o governo disse estarem “conectados às luxuosas residências de Putin, incluindo o ‘palácio de Putin’, de 100 bilhões de rublos, e a Dacha, à beira do lago de Putin”. Um deles é Boris Titov, comissário presidencial para os direitos do empreendedor, que foi premiado após a compra de 740 acres de vinhedos no terreno do palácio.

Continua após a publicidade

+ Ucrânia deve ser admitida na Otan, diz Boris Johnson

“A Ucrânia mostrou a Putin que não cederá sob sua invasão tirânica. [Putin] respondeu atacando indiscriminadamente áreas civis e infraestrutura nacional crítica em todo o país. Não podemos deixá-lo ter sucesso. Devemos aumentar nosso apoio”, disse o secretário de Relações Exteriores britânico, James Cleverly.

“Essas novas sanções aceleram a pressão econômica sobre Putin – minando sua máquina de guerra para ajudar a Ucrânia a prevalecer. Estou determinado, de acordo com nossas leis, que a Rússia não terá acesso aos ativos que congelamos até que acabe, de uma vez por todas, com suas ameaças à soberania e integridade territorial da Ucrânia”, completou Cleverly.

+ Autoridades da UE visitam Kiev em meio a ataques da Rússia

Depois da visita ao Reino Unido, Zelensky deve visitar Bruxelas na quinta-feira, 9, informou a agência de notícias Reuters, citando um diplomata da União Europeia.

Continua após a publicidade

O presidente ucraniano estaria planejando uma viagem no dia seguinte para se encontrar pessoalmente com os líderes do bloco, em uma cúpula, e se dirigir ao Parlamento Europeu em uma sessão extraordinária.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.