Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Morre coala resgatado por mulher durante incêndios florestais na Austrália

Hospital realizou eutanásia por não perceber melhoras na saúde do animal

Por Da Redação 26 nov 2019, 16h42

O coala Ellenborough Lewis, que ficou conhecido após o vídeo em que é resgatado por uma mulher durante os incêndios florestais no Estado de Nova Gales do Sul, na Austrália, nas redes sociais, morreu nesta terça-feira, 26, devido a não melhora de seu estado de saúde.

A decisão pela eutanásia veio após veterinários do hospital de colas em Port Magquire trocarem as bandagens de Lewis e constatarem que as queimadura não iriam melhorar. O procedimento foi anunciado pelo hospital através das redes sociais.

“Hoje tomamos a decisão de colocar Ellenborough Lewis para dormir”, informou o hospital. “Recentemente publicamos que ‘queimaduras podem piorar antes de melhorar’. No caso de Lewis, as queimaduras pioraram, mas infelizmente não melhoraram”.

O hospital também disse que seu objetivo número um é o bem estar para os animais, o que não significa que seja “salvar a vida” dos coalas se a “dor e o desconforto” se transformarem em sequelas para o resto da vida.

O resgate

No dia 20 de novembro, o vídeo do resgate começou a circular na internet. Nele, uma mulher chamada Toni Doherty sai de seu carro ao avistar o coala andando em meio a vegetação destruída pelos incêndios.

Continua após a publicidade

Ao resgatar o animal e jogar água na tentativa de aliviar as queimaduras, é possível ouvir o coala chorar de dor. Doherty o levou para o hospital de coalas em Port Magquire, que fica a 50 quilômetros do local, e o batizou de Ellenborrough Lewis, em homenagem a uma de suas netas.

Os incêndios florestais na Austrália já destruíram mais de 600 casas causando a morte de 6 pessoas, enquanto estima-se que 350 coalas perderam suas vidas, colocando a espécie dentro da lista de animais em risco de extinção.

A situação na Austrália se tornou crítica com o passar dos dias. A cidade de Sydney, uma das mais populosas do país, escureceu horas antes do pôr do sol, ao mesmo tempo em que figurava entre as 10 cidades mais poluídas do mundo devido às cinzas e fumaças. A intensidade das chamas foi causada por uma seca prolongada na região, ao mesmo tempo em que as temperaturas aumentaram. Segundo cientistas, a mudança climática teve um fator determinante das queimadas.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)