Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Londres tem marcha pró-Palestina e países pedem fim de ataque a civis

100 mil pessoas demonstraram apoio aos palestinos na capital inglesa e representantes de diversas nações discursaram na Cúpula da Paz no Egito

Por Redação
Atualizado em 21 out 2023, 13h55 - Publicado em 21 out 2023, 13h27

Cerca de 100.000 pessoas se reuniram em Londres nesse sábado, 21, em uma marcha em apoio à Palestina. Agitando a bandeira palestina, os manifestantes pediram o fim do bloqueio de Israel a Gaza e um cessar-fogo imediato no território, que vem sendo intensamente bombardeado por Israel há duas semanas, em resposta a ataques do Hamas que mataram 1.400 pessoas desde o dia 7 de outubro.

Segundo a agência Reuters, a polícia alertou antes da marcha que manifestações a favor do Hamas, considerado uma organização terrorista pelo Reino Unido, seriam punidas com prisão. A marcha, no entanto, seguiu de maneira pacífica, e nenhuma prisão foi reportada até o momento. Manifestações a favor da palestina também aconteceram em diversas cidades da Austrália e em Dublin, na Irlanda.

.
Polícia inglesa estima que 100 mil pessoas tenham participado de manifestação nesse sábado (Wiktor Szymanowicz/Anadolu/Getty Images)

Em um discurso na Cúpula da Paz em Cairo neste sábado, o secretário de Relações Exteriores britânico James Cleverly declarou que Israel tem o direito de se defender e de garantir a libertação dos reféns mantidos pelo Hamas, mas também pediu moderação. “Nós e eles [Israel] precisamos trabalhar para aliviar o sofrimento do povo palestino e para que as ações estejam em conformidade com a lei internacional”, disse Cleverly. “Apesar das circunstâncias extremamente difíceis, tenho pedido disciplina, profissionalismo e contenção por parte dos militares israelenses”, completou o britânico.

Segundo a atualização mais recente do Ministério da Saúde palestino, já são pelo menos 4.000 mortos e cerca de 14.000 feridos na Faixa de Gaza desde o início do conflito, entre eles cerca de 1.500 crianças. De acordo com a pasta, sete hospitais já foram desativados por impossibilidade de funcionamento e 37 médicos foram abatidos desde o início da guerra. No lado israelense, os números dão conta de 1.403 mortos, 5.000 feridos e em torno de 200 reféns.

Continua após a publicidade

Em seu discurso na Cúpula da Paz, o rei Abdullah, da Jordânia, chamou o bloqueio total de Israel a Gaza e as investidas contra civis de crime de guerra e criticou a comunidade internacional. “Isso continua em meio ao silêncio da maioria das nações. A mensagem que ouvimos em alto e bom som no mundo árabe é que a vida dos palestinos é menos importante que a dos israelenses… as nossas vidas valem menos que a dos outros, a implementação do direito internacional é seletiva e os direitos humanos têm os seus limites ”, disse ele.

Já o primeiro-ministro grego, Kyriakos Mitsotakis, pediu responsabilização para o Hamas e defendeu uma resolução pacífica do conflito com a criação de um Estado Palestino ao lado de Israel. “Sejamos honestos, o Hamas é uma organização terrorista que está infligindo um sofrimento indescritível tanto aos israelenses como aos palestinos. Eles deveriam ser responsabilizados”, disse ele, complementando em seguida: “O Hamas não é o povo palestino e não devemos confundir os dois. O povo palestino não merece isso.”

Representante do Brasil na Cúpula, o chanceler Mauro Vieira criticou a falta de disposição ao diálogo de atores na guerra travada entre Israel e Hamas e fez um apelo para que haja respeito às regras de direitos humanos internacionais de não se utilizar a população civil como alvo de ataques. O presidente palestino, Mahmoud Abbas, também discursou no evento.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.