Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês

Itália declara estado de emergência no norte do país devido à seca intensa

Falta de chuvas no Vale do Pó ameaçam mais de 30% da produção agrícola nacional; governo cria fundo de 36,5 milhões de euros para controle de danos

Por Amanda Péchy Atualizado em 6 jul 2022, 00h28 - Publicado em 5 jul 2022, 12h29

A Itália declarou nesta terça-feira, 5, estado de emergência em cinco regiões do norte do país, anunciando a criação de fundos de emergência devido ao agravamento da seca que atingiu a Planície Padana (também conhecida como Vale do Pó) nas últimas semanas.

O gabinete aprovou um estado de emergência até 31 de dezembro em Friuli-Romagna, Friuli-Venezia Giulia, Lombardia, Piemonte e Veneto. Em comunicado, o governo italiano também disse que criou um fundo de 36,5 milhões de euros (R$ 201,64 milhões) para ajudar os afetados pela seca.

O estado de emergência prevê “meios e poderes extraordinários” para ajudar a garantir a segurança pública, a compensação de perdas e visa garantir condições normais de vida para os habitantes da área.

A Itália está enfrentando uma onda de calor extremamente precoce e falta de chuvas. Uma das áreas mais atingidas foi o vale agrícola do norte do Pó, que registra sua pior seca em 70 anos.

O Vale do Pó, conhecido pela produção de presunto de Parma, se estende de oeste a leste do país, entre os Alpes a norte e os Apeninos a sul. A Confederação Nacional dos Agricultores Diretos (Coldiretti) estima que a seca na região ameaça mais de 30% da produção agrícola nacional.

Os lagos Maggiore e Garda registraram níveis de água abaixo do normal para esta época do ano. Enquanto isso, mais ao sul, os níveis do rio Tibre, que atravessa Roma, também caíram.

O rio Pó é o maior reservatório de água da península, grande parte do qual é usado por agricultores. Mas em 2022, navios da Segunda Guerra Mundial ressurgiram das profundezas do Pó, que têm níveis de água 2,13 metros mais baixos que a média.

Em junho, a Itália enfrentou temperaturas 3,5ºC mais altas que a média, após a quinta primavera mais quente desde 1880. Nos primeiros cinco meses de 2022, houve 50% menos chuva do que o registrado nos últimos 30 anos. E a previsão do tempo para as próximas duas semanas não parece boa: não haverá chuva na província de Pavia e as temperaturas vão chegar a 38ºC no próximo fim de semana.

Continua após a publicidade

As secas não são novidade na Itália, acostumada à escassez de água.

“É o momento e a magnitude da crise que são assustadores”, disse Meuccio Berselli, secretário-geral da Autoridade da Bacia Distrital do Rio Po, um órgão público que opera sob a supervisão do Ministério da Transição Ecológica, em entrevista à Euronews.

“Neste inverno não nevou, em alguns locais não choveu por 120 dias. As condições climáticas que costumamos ver agosto se adiantaram um mês e meio”, disse Berselli.

+ Portugal e Espanha sofrem maior seca em 1.200 anos, diz pesquisa

+ Japão tem a pior onda de calor já registrada no país

Nos últimos dias, vários municípios anunciaram medidas para abordar o problema climático. Verona, uma cidade de um 250.000 habitantes, começou a racionar o uso de água potável, enquanto Milão anunciou o fechamento de suas fontes decorativas.

Outra consequência da seca é que a produção de energia hidrelétrica caiu drasticamente. As usinas hidrelétricas, principalmente no norte montanhoso da Itália, respondem por quase 20% da produção nacional de energia.

O anúncio ocorre um dia depois que pelo menos sete pessoas morreram após o colapso de uma geleira nos Alpes italianos, que o primeiro-ministro, Mario Draghi, disse estar “sem dúvida” ligada ao aquecimento global.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)