Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês

Japão tem a pior onda de calor já registrada no país

Casos de hospitalização por insolação dispararam na nação asiática, que enfrenta temperaturas acima dos 35ºC pelo quinto dia consecutivo

Por Da Redação Atualizado em 29 jun 2022, 14h18 - Publicado em 29 jun 2022, 12h39

O Japão está enfrentando sua pior onda de calor desde que os registros climáticos começaram no país, em 1875.  As temperaturas ultrapassaram os 35°C em Tóquio, nesta quarta-feira, 29, pelo quinto dia consecutivo. A noroeste da capital, a cidade de Isesaki registrou um recorde de 40,2°C – a temperatura mais alta já registrada em junho no país.

+ Japão: 37 milhões de pessoas devem apagar as luzes contra crise energética

+ Onda de calor eleva temperaturas e bate recordes em parte da Europa

O clima quente fez a Agência Meteorológica do Japão (AMJ) declarar o fim da estação chuvas para Tóquio e seus arredores na segunda-feira 27, 22 dias antes do previsto para o período. As autoridades também alertaram que o calor deve continuar nos próximos dias.

Os casos de insolação também aumentaram em meio ao calor escaldante, com pelo menos 76 pessoas sendo hospitalizadas, de acordo com os serviços de saúde do país.

A população usou as redes sociais para reclamar do aumento brutal das temperaturas. Alguns compararam o clima das ruas à saunas. “Estou na rua desde de manhã e quase derretendo com esse calor extremo”, escreveu um morador de Tóquio no Twitter. 

Continua após a publicidade

Na segunda-feira, o governo do Japão alertou para uma possível escassez de energia elétrica, e pediu que a população de Tóquio reduzisse o gasto de energia.

A recomendação é que os 37 milhões de cidadãos da capital desliguem as luzes desnecessárias por três horas a partir das 15h (horário de Tóquio), mas o uso de ar-condicionado está liberado, para reduzir o risco de insolação, especialmente entre idosos.

Lojas de eletrônicos também tomaram medidas de redução do consumo energético, desligando televisores e outros produtos nas salas de vendas que normalmente seriam mantidos para atrair compradores.

O primeiro-ministro japonês, Fumio Kishida, disse em entrevista coletiva na terça-feira 28 que seu governo usará reatores nucleares aumentar o fornecimento de eletricidade. Com a maioria das usinas nucleares desativadas, o chanceler prometeu que irá acelerar os procedimentos para reiniciá-las o mais breve possível.

+ O forte impacto da guerra no sistema de energia do Japão

O Japão enfrentando uma crise energética desde que um terremoto atingiu o país em março e forçou algumas usinas nucleares a suspenderem as operações. Várias usinas de combustível fóssil também foram fechadas em uma tentativa de reduzir as emissões de dióxido de carbono.

As ondas de calor tornaram-se mais frequentes, mais intensas e mais prolongadas globalmente por causa das mudanças climáticas. De acordo com um relatório da Organização Meteorológica Mundial (OMM) das Nações Unidas, o planeta já aqueceu cerca de 1,1°C desde o início da era industrial e as temperaturas continuarão subindo, a menos que os governos de todo o mundo façam cortes acentuados nas emissões de gases poluentes.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)