Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Portugal e Espanha sofrem maior seca em 1.200 anos, diz pesquisa

Devido à escassez de água, a produção de vinícolas na Península Ibérica pode desaparecer até 2050 e a de azeitona, cair 30% até 2100

Por Da Redação
4 jul 2022, 17h01

Portugal e Espanha sofrem clima mais seco que já tiveram em 1.200 anos, segundo estudo publicado no jornal científico americano Nature Geoscience nesta segunda-feira, 4. Em consequência das mudanças climáticas, um sistema de alta pressão atmosférica tem bloqueado as frentes úmidas da região, colocando em risco inclusive a produção de vinho e azeitona nesses países. 

A região tem sido assolada por uma crescente onda de calor e seca nos últimos anos. Incêndios florestais mataram dezenas de pessoas em 2017, maio de 2022 foi o mês mais quente na história da Espanha e o maior rio da região, o Tejo, está em risco de secar por completo. 

Caroline Ummenhofer, cientista afiliada à Woods Hole Oceanographic Institution e co-autora do estudo, alertou que as descobertas têm grandes implicações para os recursos hídricos disponíveis para a agricultura, outras indústrias intensivas em água, e para o turismo. “Não é um bom presságio”, resumiu.

Na Península Ibérica, as chuvas normalmente caem no inverno, devido a ventos úmidos e sistemas de baixa pressão do Atlântico. No entanto, o Anticiclone dos Açores, sistema de alta pressão atmosférica ao longo da costa, tem agido com uma barreira para a umidade. De acordo com o estudo, o sistema passou a ser praticamente invertido a partir do século passado.

Continua após a publicidade

Em consequência deste fenômeno, a área adequada para o cultivo de uvas na Península Ibérica pode desaparecer quase por completo até 2050 devido à grave escassez de água. Na Espanha, outro estudo aponta uma queda de 30% na produção das regiões de azeitonas no sul da Espanha até 2100.

+Na Europa, onda de calor antecipada pode intensificar incêndios

Pesquisas antigas não ligavam o aumento das concentrações atmosféricas de gases de efeito estufa com a expansão do Anticiclone dos Açores. No entanto, os cientistas por trás do estudo recente utilizaram modelos climáticos dos últimos 1200 anos e descobriram que o sistema começou a expandir em torno de 200 anos atrás, à medida que a poluição humana por gases de efeito estufa começou a aumentar. O crescimento foi mais dramático ainda no século 20. 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.