Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Israel alega ter encontrado armas em operação em maior hospital de Gaza

Ação começou na madrugada desta quarta-feira após alegações de que complexo hospitalar esconderia centro de comando do grupo militante palestino Hamas

Por Da Redação
Atualizado em 15 nov 2023, 11h29 - Publicado em 15 nov 2023, 10h11

As Forças de Defesa de Israel alegaram ter encontrado armas do grupo militante palestino e “infraestrutura terrorista” durante operação militar contra o hospital al-Shifa, o maior da Faixa de Gaza. A ação começou na madrugada desta quarta-feira, 15, após alegações de que haveria dentro do complexo hospitalar um centro de comando do grupo militante palestino Hamas, uma reivindicação condenada por entidades internacionais, como Cruz Vermelha e Médicos Sem Fronteiras.

“Soldados encontraram armas e outras infraestruturas terroristas. Na última hora, vimos evidências concretas de que terroristas do Hamas usaram o hospital de Shifa como um quartel-general”, disse um oficial das Forças de Defesa à agência de notícias Reuters. O militar, no entanto, disse que provas serão apresentadas depois e não especificou o que foi encontrado.

+ ONU se diz ‘horrorizada’ com operação de Israel em hospital em Gaza

Mais cedo nesta quarta, o subsecretário-geral das Nações Unidas para Assuntos Humanitários expressou preocupação com a operação militar.

“Estou horrorizado com as informações sobre operações militares no hospital al-Shifa de Gaza. A proteção dos recém-nascidos, pacientes, profissionais da saúde e de todos os civis deve ter precedência sobre todas as outras questões”, disse Martin Griffiths, diretor do Escritório das Nações Unidas para a Coordenação de Assuntos Humanitários (OCHA), em publicação no X, antigo Twitter.

Continua após a publicidade

A declaração foi endossada pelo diretor da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus, que afirmou que as informações da incursão militar no hospital são “preocupantes” e disse que a instituição perdeu contato com os profissionais de saúde do complexo.

O porta-voz das Forças de Defesa de Israel, Daniel Hagari, disse que a ação “não tem a intenção de atingir os pacientes, a equipe médica e os civis que estão no hospital”. O hospital já estava sob cerco de Tel Aviv, que afirma que o local esconde um quartel-general subterrâneo de militantes do Hamas. O grupo terrorista negou a presença de combatentes no local e afirmou que 650 pacientes, além de milhares de outros civis lá abrigados, estão presos nas dependências da unidade, sob fogo constante de franco-atiradores e drones.

Segundo Ashraf Al-Qidra, porta-voz do Ministério da Saúde de Gaza, 40 pacientes morreram nos últimos dias, incluindo três bebês prematuros cujas incubadoras foram desligadas em meio a cortes de energia. Ele também relatou que havia cerca de 100 corpos em decomposição dentro do hospital e que não havia como retirá-los de lá. Palestinos presos dentro do maior hospital de Gaza começaram a cavar valas comuns para enterrar essas pessoas.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.