Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Netanyahu apresenta lei para recrutar judeus ultraortodoxos ao exército

Medida é impopular entre sua coalizão de partidos de direita; categoria está isenta do recrutamento desde 1948, quando o Estado de Israel foi fundado

Por Da Redação
Atualizado em 15 Maio 2024, 15h33 - Publicado em 15 Maio 2024, 13h07

O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, decidiu apresentar na próxima quinta-feira, 16, um projeto de lei a um comitê ministerial para tornar obrigatório o recrutamento militar de judeus ultraortodoxos. A proposta já provocou protestos entre a comunidade religiosa, que representa 13% da população de Israel.

Netanyahu pediu apoio aos partidos que já se manifestaram a favor da proposta, na tentativa de conseguir aprová-la no Knesset, o parlamento israelense, de acordo com seu gabinete. No entanto, os dois partidos ultraortodoxos que compõem a coalizão do governo do primeiro-ministro, o Shas e o Judaísmo Unido da Torá, classificam a isenção do serviço militar como essencial para que os ultraortodoxos possa manter suas tradições religiosas.

+ Guerra em Gaza se intensifica com batalhas no norte e no sul do enclave

Os críticos da isenção dos ultraortodoxos alegam que as obrigações deviriam ser iguais, especialmente durante a guerra entre Israel e o grupo terrorista palestino Hamas, que provocou uma redução no número de soldados israelenses. O gabinete de Netanyahu defendeu que o projeto de lei visa diminuir as divisões sociais e políticas, enquanto economistas alegam que a isenção do recrutamento pode até prejudicar os ultraortodoxos por mantê-los, geralmente, fora da força de trabalho.

Serviço militar em Israel

Em Israel, o serviço militar é obrigatório para homens e mulheres a partir dos 18 anos de idade. Eles servem por pelo menos dois anos e meio, enquanto elas servem por apenas dois anos.

Continua após a publicidade

+ Israel atacou pelo menos oito grupos humanitários em Gaza, diz relatório

No entanto, os judeus ultraortodoxos foram isentos do recrutamento em 1948, logo após a fundação do Estado de Israel, por decisão do entãov primeiro-ministro David Ben Gurion. Atualmente, cerca de 66 mil homens ultraortodoxos entre 18 e 26 anos são beneficiados pela isenção do serviço militar, segundo o Exército.

Os árabes, que representam 21% dos 10 milhões de habitantes de Israel, também são isentos do serviço militar obrigatório.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.