Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Internados, garotos fazem sinais com as mãos para dizer que estão bem

Jovens fazem símbolo da paz com as mãos, além da tradicional saudação "wai" e um gesto que significa "eu te amo" na linguagem de sinais

Os 12 meninos e o treinador de futebol resgatados de dentro de uma caverna na Tailândia apareceram pela primeira vez nesta quarta-feira (11) em um vídeo gravado no hospital onde se recuperam, na cidade de Chiang Rai. Os jovens parecem dispostos e acenam para os parentes, que estão do outro lado do vidro de proteção.

Nas imagens, alguns garotos fazem o sinal de paz e amor, levantando o dedo indicador e o do meio simultaneamente. Um outro faz a tradicional saudação “wai”, que consiste em juntar as mãos em frente ao peito e inclinar levemente a cabeça. Menos comum, também é possível ver um dos jovens sinalizar com os dedos indicador, mínimo e polegar levantados, em um gesto que significa “eu te amo” na linguagem de sinais e que também é usado na Tailândia para dizer “eu estou bem”.

Os garotos devem permanecer de quarentena no hospital por pelo menos mais seis dias, ou até que o risco de infecção passe. Os médicos, porém, informaram à imprensa local que os jovens estão bem e se recuperam rápido, apesar de terem perdido dois quilos durante o período em que ficaram presos dentro da caverna.

Os 12 integrantes do time de futebol Wild Boars (“Javalis Selvagens”, em português) e seu técnico desapareceram em 23 de junho. Uma equipe de mergulhadores britânicos conseguiu encontrá-los com vida dentro da caverna de Tham Luang nove dias depois. Durante todo esse período, os jovens ficaram presos dentro da gruta inundada sem água potável, comida, luz ou qualquer perspectiva de resgate.

Seis dias após serem encontrados, os primeiros garotos começaram a ser retirados da caverna. Os últimos saíram ontem (10), somando 18 dias enclausurados dentro do local.

A Marinha tailandesa divulgou também hoje as primeiras imagens das operações de resgate, em que os meninos aparecem deitados em macas com equipamentos de mergulho, como se estivessem dopados, sendo retirados de dentro da caverna pelos socorristas.