Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Estrela de basquete dos EUA detida na Rússia pede ajuda a Biden

Acusada de porte ilegal de drogas, a jogadora da NBA Brittney Griner pode pegar até dez anos de prisão em Moscou

Por Da Redação Atualizado em 5 jul 2022, 22h15 - Publicado em 5 jul 2022, 10h49

Brittney Griner, a estrela do basquete americano, escreveu ao presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, pedindo ajuda. A atleta está detida na Rússia há mais de quatro meses sob acusações de porte de drogas.

+ Jogadora de basquete americana pode ser condenada a prisão na Rússia

Na carta, que chegou à Casa Branca na segunda-feira, 4, ela escreveu sobre seu medo de nunca mais voltar ao seu país e expressou a angústia de estar presa no Dia da Independência do país. “Dói pensar em como costumava comemorar a liberdade nesta data. Ela significa algo completamente diferente para mim este ano”, afirmou.

+ Polícia detém suspeito de massacre em desfile de 4 de julho nos EUA

Em seu apelo, a atleta declarou seu voto em Biden em 2020 e afirmou confiar que o chefe de Estado trará de volta para casa – não só ela como todos os cidadãos estadunidenses detidos em Moscou. “Votei pela primeira vez em 2020, e votei em você. Por favor, faça tudo o que puder para nos trazer para casa”, escreveu ela.

Autoridades do governo confirmaram o recebimento da mensagem da jogadora do Phoenix Mercury, time da WNBA, e alegaram estar usando todos os meios disponíveis para resolver a situação.

Continua após a publicidade

“O presidente Biden foi claro sobre a necessidade de libertar todos os cidadãos americanos que são reféns ou detidos injustamente no exterior, incluindo Brittney Griner”, disse uma porta-voz do Conselho de Segurança Nacional.

A bicampeã olímpica e jogadora da WNBA, principal liga de basquete feminino do mundo, foi detida na Rússia depois que óleo de cannabis foi supostamente encontrado em sua bagagem, no aeroporto de Sheremetyevo, em Moscou no dia 17 de fevereiro. Atualmente, Griner passa por julgamento e, se condenada, pode pegar até dez anos de prisão na Rússia, país que absolve menos de 1% dos réus em processos criminais.

No entanto, ao contrário dos tribunais dos Estados Unidos, mesmo que ela seja absolvida, o governo da Rússia tem autoridade para anular qualquer decisão e mantê-la em regime fechado.

O julgamento da atleta norte-americana ocorre em meio à guerra da Rússia contra a Ucrânia. Embora não haja indicação de que sua prisão de Griner esteja relacionada ao conflito, algumas autoridades indicaram que as tensões entre os Estados Unidos e o Kremlin podem comprometer o retorno seguro da atleta.

“A guerra na Ucrânia basicamente cortou os laços diplomáticos entre os Estados Unidos e a Rússia”, disse o congressista americano John Garamendi, em junho. “Não queremos que Griner se torne um peão na batalha política que está sendo travada em todo o mundo agora”, acrescentou.

A Rússia nega que a detenção da jogadora tenha sido seja motivada por questões políticas.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)