Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Polícia detém suspeito de massacre em desfile de 4 de julho nos EUA

Considerado armado e perigoso, um membro da comunidade de Highland Park, em Chicago, de 22 anos foi detido após curta perseguição

Por Amanda Péchy
Atualizado em 5 jul 2022, 23h25 - Publicado em 5 jul 2022, 08h55

O chefe de polícia de Highland Park, um subúrbio em Chicago, informou na noite de segunda-feira 4 que as autoridades prenderam um suspeito do assassinato em massa que ocorreu lá durante um desfile do feriado de 4 de julho nos Estados Unidos. Robert E Crimo III, de 22 anos, foi identificado pela polícia como um suspeito armado e perigoso.

Mais de 100 policiais vasculharam o subúrbio e áreas vizinhas depois que pelo menos seis pessoas foram mortas quando um único atirador disparou contra as comemorações na manhã de segunda-feira.

Brigham Temple, diretor médico de preparação para emergências do centro de saúde da NorthShore University, disse que 30 pessoas ficaram feridas no ataque, com idades entre oito e 85 anos. Acredita-se que pelo menos quatro dos feridos sejam crianças.

A polícia ainda está investigando a conexão de Crimo com o tiroteio, mas compartilhar seu nome e outras informações publicamente foi um passo significativo. Crimo, que é da região e atende pelo nome de “Bobby”, foi parado pela polícia após uma breve perseguição, disse Lou Jogmen, o chefe da polícia.

O tiroteio em massa de segunda-feira foi o mais recente de uma série de eventos semelhantes nos Estados Unidos, que incluiu um ataque a uma escola no Texas e o assassinato clientes negros em um supermercado em Buffalo, Nova York.

“Se você está com raiva hoje, estou aqui para dizer para você ficar com raiva. Estou furioso. Estou furioso que ainda mais vidas inocentes tenham sido tiradas pela violência armada”, disse JB Pritzker, governador de Illinois.

Continua após a publicidade

“Enquanto celebramos o 4 de julho apenas uma vez por ano, os tiroteios em massa se tornaram nossa tradição semanal – sim, semanal – americana. Vai ter gente que vai dizer que hoje não é o dia, que agora não é hora de falar de armas. Estou lhe dizendo, não há melhor dia e melhor hora”, acrescentou.

+ Por que os EUA têm tantos tiroteios em massa?

O presidente Joe Biden, que recentemente conseguiu aprovar uma legislação moderada de reforma de armas no Congresso, disse em comunicado que estava “chocado com a violência armada sem sentido que mais uma vez trouxe sofrimento a uma comunidade americana” e prometeu fazer mais.

“Não vou desistir de lutar contra a epidemia de violência armada”, disse.

O ataque começou pouco depois das 10h (12h de Brasília), quando um atirador abriu fogo contra os participantes do desfile a partir de um telhado de uma empresa, usando um rifle de alta potência. Centenas de pessoas fugiram aterrorizadas, disse a polícia. Uma testemunha disse que contou mais de 20 tiros durante o ataque.

Continua após a publicidade

Várias comunidades próximas cancelaram suas celebrações do 4 de julho por medo de um segundo ataque. Equipes da Swat foram de porta em porta em busca do agressor, e os moradores foram instruídos a não sair de casa.

A polícia disse que cinco adultos morreram no local e um sexto em um hospital da região. Uma criança gravemente ferida estava entre as transportadas para instalações médicas.

Menos de 12 horas após os assassinatos de Highland Park, dois policiais foram baleados e feridos na Filadélfia, enquanto milhares de pessoas assistiam a um show de fogos de artifício, disseram autoridades locais e a mídia. Ambos os policiais estavam em condições estáveis, disse a CBS3 Filadélfia, citando o departamento de polícia. A polícia procurava o atirador.

Os assassinatos no Dia da Independência renovaram um debate nacional sobre por que o país vê esses eventos com uma regularidade mortal e por que autoridades e políticos parecem impotentes para detê-los.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.