Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Embaixador sírio usa foto falsa de ‘proteção aos civis’ em Alepo

A imagem apresentada por Bashar al Jaafari é antiga e retrata soldados iraquianos em Fallujah, no Iraque

Por Da redação Atualizado em 15 dez 2016, 16h30 - Publicado em 15 dez 2016, 16h23

O embaixador da Síria na Organização das Nações Unidas usou uma foto falsa para tentar convencer os membros do Conselho de Segurança da ONU na última terça-feira de que os soldados sírios estão agindo com compaixão na ofensiva em Alepo nos últimos dias. No entanto, a imagem apresentada por Bashar al Jaafari é antiga e, pior, não foi registrada na Síria.

“As ações que estamos realizando em Alepo têm como prioridade proteger os civis. É isso que o Exército da Síria está fazendo. Aqui está a foto de um soldado sírio oferecendo ajuda e apoio a uma mulher”, disse Jaafari ao conselho, garantindo que se tratava de uma civil deixando a região leste de Alepo, onde as forças do regime realizam ofensiva para ocupar a área dominada pelos rebeldes.

  • O problema é que a foto apareceu no site de uma emissora de TV iraquiana pela primeira vez no dia 4 de junho e mostrava soldados iraquianos ajudando civis em Fallujah, no Iraque. A versão apresentada pelo embaixador sírio foi manipulada para esconder a insígnia do Iraque no uniforme dos soldados, que combatiam jihadistas do Estado Islâmico na cidade, conforme reportou a rede americana CNN.

    Na terça-feira, a ONU denunciou que as forças pró-governo sírias executaram ao menos 82 civis, incluindo mulheres e crianças, em quatro distritos de Alepo durante as recentes batalhas para expulsar os rebeldes. Jaafari rebateu as denúncias, afirmando que a ONU usa “informação sem confirmação e sem checagem” sobre a atual situação no país e, ao mostrar a foto, chamou a ofensiva em Alepo de ‘libertação’.

    A tentativa de ludibriar o Conselho de Segurança da ONU foi rapidamente desmascarada por internautas atentos nas redes sociais, uma vez que a imagem ganhou ampla repercussão após a divulgação pela TV iraquiana, há seis meses.

     

    Continua após a publicidade
    Publicidade