Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês

Covid-19 e guerra na Ucrânia levam mais 150 milhões à fome

Relatório da ONU revela que um décimo da população mundial está cronicamente desnutrida

Por Amanda Péchy 6 jul 2022, 16h23

O número de pessoas que passam fome no mundo aumentou em 150 milhões desde o início da pandemia de Covid-19, segundo um relatório das Nações Unidas divulgado nesta quarta-feira, 6. O texto alerta que a crise alimentar desencadeada pela invasão da Ucrânia pela Rússia corre o risco de levar os países mais atingidos a uma crise alimentar extrema.

Globalmente, o número que sofre de desnutrição crônica subiu para 828 milhões no ano passado, um aumento de cerca de 46 milhões em relação ao ano anterior e três vezes maior que em 2019, antes da pandemia.

Com o preço do combustível, alimentos básicos e fertilizantes subindo desde a invasão da Ucrânia, no entanto, esse total deve aumentar ainda mais no próximo ano – um cenário que pode levar alguns dos mais pobres do mundo à fome, a forma mais extrema de privação alimentar.

+ Zelensky acusa Rússia de usar fome como arma de guerra na Ucrânia

“Existe um perigo real de que esses números subam ainda mais nos próximos meses”, disse David Beasley, diretor executivo do Programa Mundial de Alimentos das Nações Unidas.

Para declarar situação de fome, três coisas devem acontecer: 1) pelo menos 20% das famílias em uma determinada área enfrentam escassez extrema de alimentos com capacidade limitada de lidar com a situação; 2) mais de 30% das crianças sofrem de desnutrição aguda; 3) a fome causa mais de duas mortes por dia para cada 10.000 pessoas.

“O resultado será a desestabilização global, fome e migração em massa em uma escala sem precedentes”, alertou Beasley. “Temos que agir hoje para evitar essa catástrofe iminente.”

Continua após a publicidade

O relatório estima que entre 702 milhões e 828 milhões passaram fome no mundo em 2021. O valor máximo equivaleria a cerca de 10,5% da população mundial.

Estima-se que 45 milhões de crianças com menos de cinco anos sofriam de emaciação, a forma mais mortal de desnutrição, o que aumenta o risco de morte das crianças em até 12 vezes. Cerca de 149 milhões de crianças menores de cinco anos tiveram crescimento e desenvolvimento atrofiados devido à falta crônica de nutrientes essenciais.

+ Covid-19: Fome e desnutrição dispararam no mundo durante a pandemia

Segundo projeções, a desnutrição crônica deve atingir quase 670 milhões de pessoas em 2030 – número semelhante ao de 2015, quando as Nações Unidas prometeram erradicar a fome até 2030 como parte dos objetivos de desenvolvimento sustentável. Ou seja, os esforços dos últimos 15 anos será virtualmente eliminado.

Se a crise na Ucrânia serviu para algo, foi para chamar a atenção às vulnerabilidades do sistema alimentar global. Especialistas apontam que a melhor resposta é o investimento na resiliência de produtores locais – e não simplesmente aumentar o fornecimento de ajuda alimentar internacional.

+ Rússia e Ucrânia: uma história de sangue e sofrimento que não acaba nunca

A ferramenta usada pelas Nações Unidas para medir a insegurança alimentar é a classificação integrada da fase de segurança alimentar (IPC), que define “fome” como uma privação extrema de alimentos. A última crise oficialmente declarada como “fome” foi em algumas áreas do Sudão do Sul em 2017. Antes disso, estima-se que uma fome na Somália tenha matado quase 260.000 pessoas entre 2010 e 2012.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)