Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Com 97% das urnas apuradas, Erdogan é reeleito presidente da Turquia

Eleições não decidiram apenas o mapa político para os próximos cinco anos, mas uma mudança substancial na forma de governo

Por Redação Atualizado em 24 jun 2018, 17h55 - Publicado em 24 jun 2018, 17h46

Recep Tayyip Erdogan foi reeleito presidente da Turquia nas eleições que ocorreram neste domingo, 24. Com 97% das urnas apuradas, Erdogan tinha 52,5% dos votos, segundo a agência de notícias oficial local, Anadolu. Em segundo lugar estava o social-democrata Muharrem Ince, candidato do Partido Republicano do Povo (CHP), com 30,7%. 

“O povo turco elegeu Erdogan como o primeiro presidente/presidente executivo da Turquia sob o novo sistema. O povo turco disse ‘em frente’ com o presidente Erdogan”, afirmou o porta-voz do governo turco, Bekir Bozdag, no Twitter.

A oposição, por sua vez, contesta o resultado da apuração alegando que foi manipulado e aponta que ao final Erdogan ficará abaixo dos 50%, o que levaria à realização do segundo turno no dia 8 de julho.

De fato, há acusações de que em eleições anteriores a Anadolu teria manipulado os resultados preliminares. Segundo o jornal britânico The Guardian, o objetivo é desencorajar os ativistas da oposição, de modo que eles abandonem seus postos de observação nas seções eleitorais.

Continua após a publicidade

As eleições presidenciais e legislativas na Turquia neste domingo foram, provavelmente, as mais importantes para o país neste século. Não decidiram apenas o mapa político para os próximos cinco anos, como também podem vir a definir uma mudança substancial na forma de governo.

Como esperava Erdogan, o país eliminará a figura do primeiro-ministro, e o poder será concentrado na figura do presidente.

O partido de Erdogan, Justiça e Desenvolvimento (AKP), governa o país desde 2002 e promete remodelar profundamente o sistema de governo para criar uma “nova Turquia”, que resgataria a glória dos tempos do Império Otomano. Esse novo sistema foi esboçado em reforma constitucional do ano passado, mas ainda não está plenamente em vigor.

As eleições estavam previstas para novembro de 2019, mas foram antecipadas por decisão de Erdogan em abril passado, pegando os opositores de surpresa.

 

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês