Clique e assine a partir de 9,90/mês

“Cancelem a eleição, declarem-me vencedor”. TRUMP, Donald

A declaração do magnata, mais uma vez, vai contra os sólidos pilares da democracia americana

Por Da redação - Atualizado em 28 out 2016, 08h09 - Publicado em 28 out 2016, 08h07

A verborragia incontrolável é uma das características mais salientes da personalidade de Donald Trump, candidato republicano à Presidência dos Estados Unidos, mas nesta quinta ele adicionou mais uma pérola ao seu repertório de declarações desastrosas. “Eu estava pensando aqui agora, devemos simplesmente cancelar a eleição e dar a vitória a Trump”, disse o candidato durante um comício em Toledo, no Estado de Ohio.

A declaração, mais uma vez, vai contra os sólidos pilares da democracia americana. No último debate, na semana passada, Trump afirmou — para o constrangimento de seus correligionários republicanos — que não iria aceitar o resultado da eleição se Hillary Clinton for eleita. Há uma tradição na democracia americana de aceitar e respeitar o resultado das urnas. Inclusive, foram políticos os americanos que iniciaram a liturgia de parabenizar os candidatos vitoriosos com declarações públicas, num ritual cordial e saudável para dirimir rusgas de campanha e fortalecer o sistema democrático.

Leia também
Avião do vice de Trump derrapa na pista de aeroporto em NY
Eleitores de Trump alertam para revolta se Hillary ganhar

Bombardeado por críticas, o magnata falastrão voltou atrás, mas ao seu estilo, com mais uma escorregada. “Prometo a meus eleitores e apoiadores e a todo o povo dos Estados Unidos que aceitarei totalmente os resultados dessa grande e histórica eleição presidencial”, declarou. “Se eu ganhar”, completou, após uma pausa dramática. Despencando nas pesquisas, resta ao candidato republicano o desespero.

Publicidade