Clique e assine a partir de 9,90/mês

Trump decidirá “na hora” se aceitará resultado das eleições

O magnata nova-iorquino voltou a insinuar que as eleições estão armadas a favor da candidata democrata, Hillary Clinton

Por Da redação - Atualizado em 20 out 2016, 01h34 - Publicado em 20 out 2016, 00h58

O candidato republicano à presidência dos Estados Unidos, Donald Trump, disse na noite de quarta-feira que decidirá “na hora” se aceitará o resultado das eleições do dia 8 de novembro, nas quais enfrenta a democrata Hillary Clinton.

“Direi na hora. Vou manter o suspense”, respondeu Trump ao ser questionado em Las Vegas pelo moderador do último debate presidencial, Chris Wallace, se aceitará o resultado da disputa.

LEIA MAIS:
Obama manda Trump ‘parar de choramingar’ e ir atrás de votos

O magnata nova-iorquino alertou que há “milhões de pessoas registradas para votar que não deveriam estar registradas para votar”, ao alegar que as eleições estão armadas a favor da candidata democrata.

Caindo nas pesquisas, Trump tem reafirmado nos últimos dias o argumento de que há uma fraude eleitoral lhe prejudicando em quase todos os seus eventos de campanha. Na terça-feira, Trump voltou a tocar assunto em um comício no Estado do Colorado. “Fraude nos votos é comum demais”, disse Trump. “Mas se você fala nisso, dizem coisas ruins sobre você”, insistiu.

Continua após a publicidade

Ontem, o presidente dos EUA, Barack Obama, voltou a ironizar Trump por insistir que as eleições americanas são manipuladas contra ele. “Por favor, pare de choramingar antes mesmo de o jogo terminar”, disse Obama, durante coletiva de imprensa na Casa Branca. “Sempre que algo dá errado e você perde, começa a culpar os outros. Então você não tem o que precisa para estar nesse emprego”, criticou o democrata, com um sorriso irônico.

Obama também insistiu que especialistas de diferentes ideologias concordam que é impossível fraudar as eleições nos Estados Unidos. Segundo ele, as críticas de Trump ao sistema eleitoral são “irresponsáveis” e não mostram a “liderança e a dureza” necessária para um presidente.

(Com EFE)

Publicidade