Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Boris Johnson pede que países não reconheçam governo Talibã prematuramente

Primeiro-ministro britânico apelou para que haja posição unificada para "evitar que o Afeganistão volte a ser um terreno fértil para o terror"

Por Redação
Atualizado em 15 ago 2021, 16h59 - Publicado em 15 ago 2021, 16h57

O Primeiro-Ministro Britânico Boris Johnson fez um apelo nesse domingo, 15, para que os países ocidentais não “reconheçam prematuramente” o Talibã como novo governo do Afeganistão. Johnson afirmou que sua prioridade é retirar os cidadãos britânicos restantes do país, além dos afegãos que ajudaram a missão inglesa na região.

“Não queremos ninguém reconhecendo bilateralmente o Talibã. Queremos uma posição unificada, na medida do possível,  entre todos os que pensam da mesma forma para que façamos o que pudermos para evitar que o Afeganistão volte a ser um terreno fértil para o terror,” disse o primeiro-ministro em uma reunião de emergência convocada após a tomada da capital afegã pelo Talibã nesse domingo 15.

Há pouco mais de um mês, o líder britânico havia informado ao Parlamento, por meio de um comunicado, que não havia razão para esperar um triunfo iminente do Talibã no Afeganistão, o que levantou críticas de que o Reino Unido teria sido pego de surpresa com a escalada do grupo fundamentalista no país

Na tarde de hoje, o primeiro-ministro se justificou dizendo que “estava muito claro” pelo o que eu disse que a situação no Afeganistão iria mudar e que eles sabiam há algum tempo “onde isso daria”. Johnson, porém, atribuiu a velocidade com que o grupo religioso tomou o país à retirada das tropas americanas, que “acelerou as coisas.”

Continua após a publicidade

Agora, o parlamento britânico será convocado na quarta-feira, 18, para debater a situação do Afeganistão. Segundo a Agência de notícias AP News, o Conselho de Segurança da ONU também deve se reunir na manhã da segunda-feira, 16, em uma reunião de emergência convocada a pedido da Estônia e da Noruega para debater a questão.

O presidente Ashraf Ghani deixou o Afeganistão nesse domingo, depois de o Talibã sitiar a capital do país. O grupo já tomou grande parte da capital Cabul, e segundo a AP News, pretende declarar o país como Emirado Islâmico do Afeganistão — nome pelo qual atendia antes da invasão americana, iniciada depois dos ataques de 11 de setembro de 2001.

 

 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.