Clique e assine com 88% de desconto

Bolsonaro e premiê da Índia assinam 15 acordos bilaterais

O presidente brasileiro e Narendra Modi formalizaram memorandos de entendimento nas áreas de biocombustíveis e cibersegurança

Por EFE - Atualizado em 25 jan 2020, 15h28 - Publicado em 25 jan 2020, 08h47

O presidente Jair Bolsonaro e o primeiro-ministro da Índia, Narendra Modi, assinaram neste sábado, em Nova Délhi, quinze memorandos de entendimento para parceria entre os dois países nas áreas de biocombustíveis e cibersegurança.

Bolsonaro e Modi se reuniram para analisar como ampliar a aliança estratégica e incrementar os US$ 6 bilhões que atualmente a Índia investe no Brasil, e o US$ 1 bilhão que o Brasil investe na Índia.

“Fico feliz que conseguimos firmar importantes acordos hoje sobre bioenergia, cibersegurança, segurança social, ciência e tecnologia, petróleo e gás natural”, afirmou o primeiro-ministro indiano, logo após a assinatura dos memorandos.

No Twitter, Bolsonaro afirmou que, com os acordos, “as expectativas são as melhores”. “O comércio, por exemplo, que hoje movimenta US$ 6 bilhões por ano, poderá passar a US$ 50 bilhões até 2022.”

Publicidade

A Índia comprou US$ 1,6 bilhão em petróleo no ano fiscal de 2018-2019, um valor menor ao gasto com a importação junto a Venezuela, segundo dados do Ministério do Comércio do país asiático.

A visita oficial de Bolsonaro à Índia, que começou ontem e acabará na próxima segunda-feira, coincide com as celebrações do Dia da República indiano, que celebra a aprovação da Constituição, e terá, inclusive, um desfile militar, para o qual o presidente brasileiro é convidado de honra.

Publicidade

“Estou extremamente impaciente para amanhã. Estou ansioso pelas comemorações de amanhã. Assim, na véspera, hoje pude dizer que estou profundamente comovido pela percepção de que, com o estabelecimento dessas importantes alianças estratégicas, nossos grandes países consolidaram as relações”, garantiu Bolsonaro.

Atualmente, as trocas comerciais entre os membros dos Brics (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul), segundo dados oficiais do governo indiano, correspondeu no exercício fiscal de 2018-2019 a US$ 8,2 bilhões, com uma balança favorável ao Brasil.

Publicidade