Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Biden segue Lula em pedido de reforma do Conselho de Segurança da ONU

Presidente americano discursou nesta terça-feira em Nova York

Por Da Redação
19 set 2023, 12h14

Em discurso à Assembleia-Geral das Nações Unidas, o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, defendeu nesta terça-feira, 19, uma reforma do Conselho de Segurança da organização, citando uma série de consultas para aumentar o número de membros permanentes e não permanentes do órgão. O assunto havia sido abordado poucos minutos antes por Lula, que citou a paralisia do conselho e a falta de representatividade.

+ ‘Falta vontade política’ contra desigualdades, diz Lula na ONU

 

“Precisamos ser capazes de superar o impasse que com muita frequência impede o progresso e o consenso no conselho. Precisamos de mais vozes, de mais perspectivas à mesa”, disse o democrata, relembrando discurso feito no ano passado, no qual anunciou que os EUA iriam apoiar a ampliação do conselho, o órgão mais poderoso da ONU.

O Conselho de Segurança tem lutado para chegar a acordos nos últimos anos sobre questões importantes como a Coreia do Norte e a Síria. Em Maio de 2022, não conseguiram adoptar uma resolução que teria reforçado as sanções a Pyongyang devido ao lançamento de mísseis balísticos. Apesar dos 13 signatários, a China e a Rússia consideraram a medida “contraproducente e desumana”.

Continua após a publicidade

Qualquer reforma exigiria uma alteração à Carta das Nações Unidas. Isto poderia ser vetado pela China e pela Rússia, cujos poderes para bloquear resoluções e sanções seriam diminuídos.

Autoridades dos EUA e da ONU disseram à mídia norte-americana que os planos de Biden podem oferecer assentos a novos membros permanentes sem poder de veto. Em entrevista às Páginas Amarelas de VEJA, a embaixadora dos EUA no Brasil, Elizabeth Frawley Bagley, afirmou que o tema foi levantado entre Biden e Lula durante encontro recente. “Biden disse que é o momento de expandir o Conselho de Segurança para América Latina, África e Oriente Médio. Eu acho que, a América Latina, as chances estariam com o Brasil, que é o maior país. Mas Biden não disse especificamente qual seria seu escolhido”.

 

Atualmente, o conselho tem cinco membros permanentes com poder de veto – EUA, China, França, Reino Unido e Rússia – e outros dez  não permanentes, sem poder de veto. A reforma do conselho é uma demanda histórica do Itamaraty, que defende a entrada do Brasil e de países em desenvolvimento da América Latina, da África e da Ásia.

Continua após a publicidade

A própria ONU reconhece a necessidade de uma reforma. Montado a partir de pedido do secretário-geral António Guterres, um grupo de trabalho composto por ex-chefes de Estado, acadêmicos e especialistas afirmou em relatório em abril deste ano que uma mudança no sistema atual poderia criar mais transparência e confiança nas relações internacionais.  O documento afirma que “as vozes dos afetados por conflitos” precisam ser incluídas de forma mais significativa nas decisões do órgão.

+ Na ONU, Lula retoma discurso do primeiro mandato e promete extinguir fome

Outro ponto de atenção é o poder de veto, que atualmente permite que um único país controle o resultado das deliberações. Segundo a análise, as ações do Conselho de Segurança devem ter um viés mais democrático para que o órgão preserve sua legitimidade.

O Conselho Consultivo é copresidido pela ex-presidente da Libéria, Ellen Johnson Sirleaf, e pelo ex-primeiro-ministro da Suécia, Stefan Löfven. A brasileira e presidente do Instituto Igarapé, Ilona Szabó de Carvalho, faz parte do grupo.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.