Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Ranking elege as 10 piores comidas brasileiras; confira a lista

A vasta culinária do país foi avaliada por 5 mil leitores do site TasteAtlas, que colocaram o cuscuz paulista no topo

Por Diego Alejandro
Atualizado em 4 dez 2023, 14h01 - Publicado em 29 nov 2023, 08h16

No final de 2022, o TasteAtlas, site conhecido por elaborar diversos rankings relacionados a pratos culinários, publicou uma lista de 100 Melhores Comidas do Mundo, que muito repercutiu, especialmente por causa do segundo lugar para a Picanha brasileira. Contudo, em sua última divulgação, apresentou uma relação um tanto indigesta: as 10 piores comidas brasileiras.

Para compilar essa lista, a plataforma utilizou mais de 4,9 mil avaliações disponíveis no site, feitas por estrangeiros e brasileiros. Pratos doces e salgados de todas as regiões do país entraram no ranking. Confira a lista:

10. Casadinhos (nota: 3,6)

Bem-casado
(Wolfhardt/Wikimedia Commons)

Esses biscoitos assados e recheados, geralmente com doce de leite ou goiabada, são comuns em casamentos.  Além do sabor bastante doce, destaca-se pela atenção dada à elaboração das embalagens, feitas geralmente de papel crepom e fitas de cetim – não o suficiente para impressionar os avaliadores.

9. Mocotó (nota: 3,6)

Mocotó
(Daniel Go/Flickr)

Enquanto uns amam, outros odeiam. Apesar de ser uma parte orgulhosa da culinária sertaneja, este ensopado feito com patas de vaca, feijão e vegetais não é para todo paladar.  Sua origem é remota, advindo da tradição portuguesa. É comum, entretanto, encontrar outra explicação, sem fundamentação histórica, de que, na época das charqueadas, os escravos a faziam para seu sustento. Hoje é encontrado em diversos restaurantes de cozinha brasileira, inclusive no premiadíssimo homônimo comandado pelo chef Rodrigo Oliveira.

Continua após a publicidade

8. Salada de maionese (nota: 3,6)

Salada de maionese

Se tem churrasco, tem salada de maionese. Apesar disso, a comida não foi bem recebida pela maioria dos votantes. Um dos motivos, talvez, seja a enorme variedade de ingredientes que leva: batata, cenoura, ervilha, milho, maçã e até uva-passa.

7. Salpicão de frango (nota: 3,6)

Salpicão de frango
(Reprodução/Mídias sociais/Reprodução)

Mais um clássico da culinária brasileira que também leva o polêmico ingrediente: uva-passa. Será coincidência?O salpicão é basicamente uma salada de frango com variações, bastante comum em festas de Natal. Às vezes, é incrementado com batata palha por cima.

Continua após a publicidade

6. Sequilhos (nota: 3,6)

Sequilhos
(Melsj/Wikimedia Commons)

A nostalgia de casa da avó não foi o suficiente para salvar estes biscoitos do ranking. Normalmente feitos de amido de milho ou polvilho, os sequilhos também têm variações de canela, café, milho, queijo e goiabada.

5. Maria mole (nota: 3,5)

Maria Mole
(Reprodução/ Mídias Sociais/Reprodução)

O nome já entrega: uma sobremesa macia e muito popular em festas juninas. Feita apenas de açúcar, gelatina, coco e clara de ovo, o doce é conhecido como marshmellow brasileiro, mas nem assim agradou os participantes da enquete. 

4. Quibebe (nota: 3,4)

Continua após a publicidade
Quibebe
(Reprodução/Mídias Sociais/Reprodução)

O ranking, parece, não gosta de ensopados… Feito com abóbora, cebola, pimenta, gengibre em pó e leite de coco, este purê rústico serve tanto como entradinha quanto oferendas aos orixás das religiões afro-brasileiras. O Quibebe tem origem no idioma africano quimbundo, da região de Angola.

3. Tareco (nota: 3,2)

Tareco
(Reprodução/Mídias sociais/Reprodução)

Feitos apenas de água, ovo, farinha de trigo e açúcar, os biscoitos tarecos têm origem no estado de Pernambuco, mas se espalhou para o restante do Nordeste. Mesmo agradando os ouvidos na música “Tareco e Mariola”, interpretada por Flávio José e composta por Petrúcio Amorim (“Eu me criei/ Matando fome com tareco e mariola”), não agradou o paladar dos votantes. 

2. Arroz com pequi (nota: 3,1)

Galinhada com pequi

Continua após a publicidade

Arroz com Pequi é um prato típico da culinária brasileira, especialmente da região do Cerrado, onde o fruto é abundante. Em sua receita tradicional, o pequi é refogado por mais dois minutos até juntar com o arroz escorrido. Depois ele é temperado com sal e mexido abundantemente, tampado até o seu cozimento, finalizando com acréscimo do cheiro verde e servido quente. Típico brasileiro, mas que passou longe de aprovação no ranking. 

1. Cuscuz Paulista (nota: 3,1)

Cuscuz-paulista

O Cuscuz Paulista recebeu as piores avaliações. Preparado com fubá, azeitonas, ovo cozido, peixe enlatado e ervilha, essa refeição remonta ao século 19 e é normalmente servida no formato de pudim. A apresentação visual do cuscuz “deve ter um efeito impressionante nos convidados para o jantar”, avalia o TasteAtlas. Mas definitivamente não no paladar, segundo a lista. É considerado um desvio do cuscuz berbere, do norte da África, e do cuscuz nordestino, receitas que datam antes do paulista. Os puristas, claro, torcem o nariz. Mesmo assim, o cuscuz paulista se tornou um patrimônio do Estado de São Paulo.

TasteAtlas

A plataforma foi criada em 2018, na Bulgária, por um empresário croata e é composta por uma pequena equipe de 30 pesquisadores que se ocupam em catalogar mais de 5.000 comidas tradicionais do mundo. A pesquisa não é presencial, ou seja, eles não vão a campo experimentar os pratos que divulgam, como no caso do Guia Michelin, baseando-se em resenhas de críticos gastronômicos, recomendações de profissionais e popularidade na pesquisa pelo Google. Surgem daí, provavelmente, as grandes distorções dessa pesquisa.

Continua após a publicidade

Apesar da proposta de um Atlas Mundial de Comida, não há nenhuma referência para o Continente Africano, bem como Oceania, Austrália e Nova Zelândia inclusas. Tampouco se pesquisou a culinária russa, onde estão o Borscht, o Blini, o Pelmeni, e claro, o Stroganov, um dos pratos mais queridos no Brasil, mais conhecido como Strogonoff.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.