Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Museu Nacional ganha tour online em plataforma do Google

Site oferece passeio em 360 graus pela instituição, com 164 peças digitalizadas antes do acidente

Por Redação - Atualizado em 13 dez 2018, 16h42 - Publicado em 13 dez 2018, 16h22

O Museu Nacional do Rio de Janeiro, destruído por um incêndio em setembro deste ano, ganhou um tour com oito exposições virtuais, que conta com imagens de 164 peças perdidas no acidente. O projeto é fruto de uma parceria entre o Google Arts & Culture, plataforma da gigante de tecnologia que visa democratizar o acesso à arte, e o Museu, com o apoio da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e do Ministério da Educação. Ele vinha sido desenvolvido desde 2016, quando teve início a catalogação do acervo.

A experiência pode ser acessada através do site ou do aplicativo Google Arts & Culture. Além de visualizar os artefatos, é possível realizar um passeio virtual pelas salas do prédio histórico em imagens 360 graus, acompanhadas de narração em português, inglês ou espanhol. Entre as peças digitalizadas, destacam-se o crânio Luzia, o mais antigo das Américas, cujos fragmentos foram encontrados em meio aos escombros do local, e a réplica de um Titanossauro, que data de 99,6 a 65,5 milhões de anos atrás.

MASP e Museu Nacional

Além da opção online, os paulistanos vão poder contar com outro artifício: a realidade virtual. O Google Arts & Culture vai disponibilizar neste sábado, 15, no Masp, três totens que levarão o público a um passeio pelas salas do Museu Nacional com o uso do Cardboard, o aplicativo de realidade virtual do Google. Assim como na versão online, o tour pode ser guiado com narração em português, inglês ou espanhol. A experiência estará disponível das 10 às 18h, e é gratuita.

 

Publicidade
O crânio de Luzia, o esqueleto mais antigo das Américas, com aproximadamente 11.500 anos de idade, parte do acervo virtual do Museu Nacional Museu Nacional/Divulgação

 

Publicidade
O meteorito do Bendegó, um dos maiores do mundo, descoberto por um menino à procura de uma vaca perdida em 1784, parte do acervo virtual do Museu Nacional Museu Nacional/Divulgação

 

Publicidade
Réplica do esqueleto do Titanossauro, cujos ossos originais foram descobertos perto de São Paulo na década de 1950, parte do acervo virtual do Museu Nacional Museu Nacional/Divulgação

 

Publicidade
Publicidade