Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

O que disse Lula a Suplicy, depois da cobrança pública a Mercadante

Vereador por São Paulo levou puxão de orelha do ex-presidente por interromper evento de lançamento do programa de governo

Por Laísa Dall'Agnol Atualizado em 24 jun 2022, 20h00 - Publicado em 24 jun 2022, 13h01

Depois da manifestação de Eduardo Suplicy em evento do PT nesta semana, o vereador por São Paulo diz ter levado um “puxão de orelha” de Lula.

“Foi deselegante com o Aloizio”, disse o ex-presidente em privado — que na hora do ocorrido não reagiu, mas deixou escapar um leve sorriso sarcástico.

Na ocasião, Suplicy interrompeu a fala de Mercadante para queixar-se de que o coordenador do plano de governo Lula-Alckmin não havia incluído seu projeto de renda básica de cidadania entre as diretrizes apresentadas — e de sequer ter sido convidado para a reunião de lançamento.

O ex-ministro da Educação rebateu Suplicy e disse que a proposta estava, de fato, contemplada — de forma genérica — na prévia apresentada, e pediu que o ex-senador esperasse sua vez e se manifestasse “democraticamente”.

O evento acabou em climão. Suplicy tentou se desculpar com um abraço em Mercadante, que rejeitou a investida.

Mais do que uma intempestividade, a reação do petista histórico é resultado de uma série de mágoas acumuladas ao longo dos últimos meses. ‘Sofrendo calado’ pela rejeição no partido, primeiro se manifestou publicamente sobre não ter sido convidado para o casamento de Lula.

Mais recentemente, falou durante uma reunião com Haddad e outros petistas que estava esperando “há três meses” por um encontro com o ex-presidente para discutir seu futuro político — como a possibilidade de concorrer a uma vaga na Assembleia Legislativa –, mas que não havia tido resposta. Por enquanto, nenhuma data foi ainda marcada.

Suplicy ainda enviou uma carta após o ocorrido desta semana a Lula, Alckmin e Mercadante se explicando sobre o episódio — mas também não houve retorno. Mercadante se manifestou nesta sexta, dizendo que respondeu a mensagem — leia aqui.

“Vou continuar trabalhando pela renda básica, projeto este que já foi aprovado em 2004, e que tem forte apoio não só do partido, mas de outros partidos também”, diz.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)